TV União Rádio União Impressas - PDF Interativo

Saúde • 22 de fevereiro de 2017 • 08h56

Secretaria recomenda cuidados com a dengue na semana pré-Carnaval

O calor dos últimos dias e a proximidade do feriado de Carnaval exigem atenção especial da população no combate à dengue. Antes de viajar as pessoas devem vistoriar suas casas e quintais a fim de eliminar qualquer tipo de recipiente que possa acumular água da chuva. O objetivo é evitar que criadouros do mosquito se formem no período de ausência dos moradores.

De acordo com o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, medidas simples podem prevenir uma dor de cabeça maior no retorno da viagem. “É importante que se faça uma vistoria geral na residência, removendo potenciais criadouros. Quinze minutos são suficientes para deixar a casa livre de focos do mosquito”, explicou. 

Outra preocupação é em relação ao lixo deixado pelos foliões durante os dias de festas. “Copos plásticos, latas, garrafas e outros objetos descartados na rua são um prato cheio para que o mosquito da dengue deposite seus ovos. Não podemos dar chances aos Aedes aegypti. Todo cuidado é pouco”, disse o coordenador da Sala de Situação da Dengue, Zika e chikungunya, Raul Bely.

O verão é a estação do ano que mais concentra casos de dengue no Paraná. As temperaturas mais quentes favorecem a proliferação do mosquito, pois aceleram o ciclo reprodutivo do inseto. Os ovos eclodem mais rápido, o que aumenta também a quantidade de mosquitos em circulação. Com a ocorrência de chuvas, o risco cresce ainda mais.

NÚMEROS – Desde agosto de 2016, 518 casos de dengue foram confirmados no Estado. O número é quatro vezes menor do que o registrado no mesmo período passado (ago/2015 a fev/2016). Além disso, nenhuma morte foi confirmada até agora. Houve também uma redução significativa no número de casos graves.

Para o coordenador da Sala de Situação, os dados mostram que o Paraná vive uma realidade diferente de anos anteriores, mas o momento ainda é de alerta. “A condição climática é favorável e temos a presença do mosquito em praticamente 80% das cidades do Estado. São motivos mais do que suficientes para reforçarmos as ações de prevenção, sobretudo nesta época mais crítica”, declarou Bely.

AEN



Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário