TV União Rádio União Impressas - PDF Interativo

Educação • 19 de abril de 2017 • 09h07

Paraná tem hoje 200 indígenas nas universidades públicas

As universidades públicas do Paraná têm neste ano 200 os estudantes indígenas. Em 2016, sete indígenas concluíram o ensino superior, entre eles advogado, pedagogo e médica. O Dia do Índio, 19 de abril, festeja as origens culturais do Brasil. O Vestibular Indígena, ofertado pelas sete universidades estaduais e a Universidade Federal do Paraná, é uma forma de valorizar essa cultura. 

Ser protagonista da própria história, com mais oportunidades e melhores condições de vida, é o sonho de muitos jovens indígenas que ingressam na universidade. Jefferson Gabriel Domingues, da etnia Guarani, é um destes jovens. Ele conseguiu a formação acadêmica e realização profissional e hoje é professor e diretor da Escola Estadual Indígena Yvy Porã, na Terra Indígena Pinhalzinho em Tomazina (Norte), onde nasceu. 

“Com o ensino superior os índios passam a ganhar mais espaço na sociedade, participar de forma efetiva nas áreas onde atuam, com formação profissional,” ressalta Jefferson Gabriel, que se formou em História, em 2010, pela Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP). 

MAIS CONDIÇÕES - A Comissão Universidade para Índios (Cuia), formada por representantes das universidades públicas, é que organiza o vestibular. Wagner Amaral, presidente da Cuia, destaca que a formação acadêmica contribui para que os jovens tenham melhores condições de vida. “A presença deles nas universidades aumenta a perspectiva da formação de profissionais que conhecem a realidade de suas comunidades e de seus povos, levando maior qualidade nos serviços de saúde, educação, gestão dos territórios, gestão de políticas e projetos sociais”, diz ele. 

Nas universidades públicas são ofertadas 52 vagas para os indígenas: seis em cada uma das sete universidades estaduais e 10 vagas na Universidade Federal do Paraná. 

Segundo o presidente da Cuia, o vestibular está ganhando cada vez mais atenção e importância nas tribos. “A primeira edição, em 2002, contou com 54 candidatos para 15 vagas. A mais recente edição teve 753 inscritos para 42 vagas. Isso ocorre devido ao significativo crescimento demográfico nas terras indígenas e expansão da oferta de ensino fundamental e ensino médio nas aldeias”. 

CONTRIBUIR - Da etnia Kaingang, Gilza Ferreira de Souza, formada em Serviço Social na Universidade Estadual de Londrina (UEL), entrou em 2006. Entrei sem perspectiva, sem motivação, sem saber ao certo o que é a universidade, o que era morar em uma cidade grande, mas a própria instituição mostrou a importância da formação acadêmica. Como eu poderia contribuir para minha tribo, para sociedade”. 

Gilza segue na vida acadêmica, atualmente tem um projeto na UEL, junto ao Programa Universidade Sem Fronteiras. “Realizo um sonho na verdade, continuo na UEL e trabalhando junto com meu povo”, comenta a assistente social. 

Para Jefferson Gabriel Domingues, relacionar os temas curriculares (obrigatórios segundo o Ministério da Educação) à realidade da aldeia é fundamental. “Como professor de História, posso trabalhar com o meu olhar de índio para os conteúdos, valorizando os nossos sábios da aldeia, que são os detentores dos etnosaberes, mostrando que os nossos etnoconhecimentos podem ser trabalhados de forma paralela com os conhecimentos científicos dentro dos temas propostos no currículo”, diz ele. 

AEN



Comentários

Seja o primeiro a comentar!

Faça seu comentário