Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ofício da entidade entregue ao ministro Carlos Fávaro salienta, entre outros pontos, a realização do Plano Nacional de Sanidade Ovina

Em encontro realizado em Brasília, o presidente da Associação Brasileira de Criadores de Caprinos, Arlindo Ivo, e o presidente da Câmara Setorial dos Caprinos e Ovinos do Ministério da Agricultura e Pecuária, Pedro Martins, estiveram com o ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro. Na ocasião foi entregue um ofício com demandas da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (Arco) para a ovinocultura nacional.

Segundo o documento, assinado pelo presidente da entidade, Edemundo Gressler, foram apresentadas importantes e urgentes demandas do setor ovino brasileiro. O ofício destaca que a ovinocultura está espalhada em todo o território nacional sendo importante meio de subsistência das famílias que vivem no campo e uma cultura que cresce e se qualifica na produção de carne, lã, leite e peles através de investimentos em genética, manejo e melhoramento dos rebanhos das quase 30 raças registradas no Brasil.

O documento da Arco cita que, em contrapartida aos investimentos do criador, encontram-se algumas barreiras que travam o crescimento dos mercados para os ovinos e seus derivados entre eles, a "ágil implementação do plano de sanidade que vai permitir a exportação e a abertura de mercados externos para os produtos oriundos da cadeia produtiva, bem como políticas de desenvolvimento e crescimentos do rebanho ovino brasileiro", destaca o ofício.

Com isso, a entidade informou algumas necessidades urgentes para que a ovinocultura se qualifique, se profissionalize e se desenvolva em todo o território nacional. Uma delas é o Plano Nacional de Sanidade Ovina, que é também uma demanda prioritária para o setor, porque entende-se que através dele se abrirão importantes e latentes mercados internacionais, principalmente para genética. Além disso, pediu a criação de políticas públicas e parcerias que promovam o crescimento e o desenvolvimento

do rebanho nacional, crescimento este que vai permitir ampliar os mercados internos de consumo, principalmente de carne, lã e leite ovinos, e o protocolo entre Brasil e China para a exportação de lã suja.

Já na reunião da Câmara Setorial da Ovinocultura, Gressler, que participou virtualmente, trouxe para a pauta a Lei 13.854, de 8 de julho de 2019, que institui a Política Nacional de Incentivo à Ovinocaprinocultura. Entre os pontos citados na lei estão o aumento da escala da produção, a intensificação do manejo, com a eficiência da produtividade e da rentabilidade, a regularidade do fornecimento e a padronização da produção, a melhora da qualidade dos produtos oferecidos ao consumidor, a segurança alimentar e o combate ao abigeato, por meio da regularização do abate e do comércio de produtos, entre outros tópicos. Segundo a Arco, a lei está em vigor mas ainda não se consolidou a prática da mesma.

Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.