Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Para minimizar os impactos do clima como secas e enchentes, representantes do setor analisam soluções para colheitas da América do Norte, Brasil e Sul da Europa

As mudanças climáticas estão deixando uma marca preocupante na agricultura global, com secas e estresse hídrico causando perdas significativas em diversas regiões. Em uma mesa redonda promovida pela Elicit Plant, na França, especialistas debateram as condições enfrentadas por agricultores na América do Norte, Brasil e na Europa.

O CEO da DunhamTrimmer, Mark Trimmer, especializada em biosoluções nos Estados Unidos, alertou para a frequência crescente e a intensidade das secas na América do Norte. "Mesmo produtores com acesso à irrigação estão enfrentando perdas severas devido às secas generalizadas, que não se limitam mais a regiões específicas", detalha.

Já na Espanha, a situação é ainda mais crítica, conforme relato do CEO da Lainco Agro & Sirius Agrobusiness Consulting, Francesc Llauradó. O aumento das secas resultou em perdas consideráveis para os agricultores, totalizando 8 bilhões de euros em 2022 e prevendo um aumento para cerca de 12 bilhões de euros em 2023. "As previsões sombrias indicam que 75% das terras agrícolas espanholas podem se tornar desertas nas próximas quatro a cinco décadas, levando os agricultores a adotar medidas como consolidação de fazendas e melhorias nos sistemas de irrigação", reforça.

No Brasil, o maior produtor mundial de soja e terceiro maior produtor de milho, a situação é semelhante, com perdas estimadas em 30 bilhões de euros devido a secas severas nas últimas safras. Felipe Sulzbach, diretor da Elicit Plant Brasil, destaca a variação de comportamento climático em diferentes regiões, evidenciando a necessidade de adaptação e soluções específicas. "O impacto global das mudanças climáticas é acentuado por extremos e riscos climáticos imprevisíveis", ressalta. O exemplo citado por Sulzbach inclui uma seca seguida de chuvas intensas, resultando em inundações repentinas no Brasil. "Na América do Sul, os agricultores estão se esforçando para se adaptar a um clima cada vez mais volátil", complementa.

Diante desse cenário desafiador, a especialista em biosoluções, Pam Marrone, enfatiza a importância do gerenciamento do estresse hídrico. Ela elogia a abordagem da Elicit Plant, uma startup de agritech, que se destaca ao focar no desenvolvimento de fitoesteróis como solução para esse problema. "A escassez de recursos hídricos é uma questão global, e os fitoesteróis apresentam uma perspectiva inovadora para manter ou aumentar a produtividade nas lavouras", avalia.

Anne Laroudie e Claire Arnoux, adaptado por Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.