Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em reunião da CMO, presidente da Embrapa afirmou que empresa tem dependido de emendas parlamentares para se manter

O secretário-adjunto do Ministério da Agricultura e Pecuária, Pedro Neto, disse que o governo quer garantir R$ 520 milhões para que a Embrapa possa desenvolver pesquisa e inovação agropecuária em 2024. O total é 50,7% maior que o previsto para 2023. O orçamento total da empresa é de R$ 3,6 bilhões.

O tema foi debatido na Comissão Mista de Orçamento porque, nos últimos anos, a Embrapa tem dependido de emendas parlamentares para conseguir “fechar o ano”, como explicou a presidente da empresa, Silvia Massruhá. Para 2023, 64 deputados e senadores garantiram pouco mais de R$ 30 milhões.

Silvia disse que a Embrapa é referência em ciência tropical no mundo e recebe vários convites de cooperação técnica que não pode desenvolver por falta de recursos. São 43 centros de pesquisa no Brasil, como a Embrapa Soja, em Londrina (PR); a Embrapa Uva e Vinho, em Bento Gonçalves (RS); e a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, no Distrito Federal.

A presidente da Embrapa disse que a área plantada no País aumentou 140% em 50 anos, mas a produção cresceu 580%. Segundo ela, isso se deve muito aos esforços da Embrapa, que mostrou, por exemplo, que era possível produzir no Cerrado.

Foi anunciado R$ 1 bilhão do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), até 2026, mas esse total será utilizado, segundo Silvia, em infraestrutura.

“Se a Embrapa não tiver investimento, não tiver custeio para pesquisa neste momento, o reflexo para a agropecuária brasileira - que a gente tem tanto orgulho e contribui tanto para a nossa balança comercial - a gente vai sentir daqui a cinco ou dez anos. Não é do dia para a noite. A pesquisa leva um tempo. E a falta da pesquisa impacta a médio e longo prazo”, afirmou.

Conhecimento

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF), que requereu a audiência, disse que vai defender a proibição do contingenciamento dos recursos da Embrapa e sugeriu um programa para que os parlamentares visitem os centros de pesquisa.

“Eu acho que a gente precisa agora levar os parlamentares na ponta para eles conhecerem o que a Embrapa foi, é e será. Mas esse “será” depende muito do que for plantado hoje”, disse o senador.

Marcus Vinicius Vidal, presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário, disse que está sendo organizada uma Frente Parlamentar para o Fortalecimento da Embrapa.

Silvia Mugnatto/Agência Câmara de Notícias

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.