Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Condições climáticas juntamente com a incidência de pragas, doenças e plantas daninhas na soja comprometem de forma significativa produtividade e custo operacional da safra

A safra de soja atual tem enfrentado uma série de desafios que impactaram significativamente a produtividade e a qualidade do cultivo em diversas regiões do País, afetando diretamente os agricultores e as cadeias produtivas relacionadas. Condições climáticas adversas, juntamente com a incidência de pragas, doenças e plantas daninhas resistentes, são os principais fatores que afetaram as plantações do mais importante cultivo agrícola do Brasil.

Em razão do clima irregular ao longo do plantio e durante o desenvolvimento das lavouras, com altas temperaturas no Norte, Nordeste e Centro-Oeste e excesso de chuvas no Sul, o cenário de quebra de safra brasileira se consolidou de forma irreversível em praticamente todos os estados produtores. Além das questões climáticas, pesquisa realizada pela Agroconsult aponta que os sojicultores também enfrentaram alta infestação de pragas, com aumento de 40% de incidência de Percevejo-marrom e 29% de Mosca Branca, prejudicando não apenas a qualidade das sementes, mas reduzindo a produtividade com perdas de até 30% na colheita. Outros problemas podem estar relacionados à redução da produtividade como, por exemplo, as doenças fúngicas e a presença de plantas daninhas de difícil controle.

Segundo o pesquisador em entomologia, Clérison Perini, o Percevejo-marrom, por exemplo, se reproduz mais intensamente no desenvolvimento do cultivo, momento em que a praga tem alimento de qualidade. “É importante que o agricultor faça o monitoramento nesse período crítico para um melhor controle, pois essa praga causa danos significativos, com perdas de produtividade de mais de uma saca por hectare a cada inseto por m², reduzindo a qualidade de sementes e dos grãos”, explica.

 “Esses desafios têm exigido dos agricultores a busca por soluções mais avançadas e sustentáveis para o manejo integrado na cultura da soja, visando mitigar os impactos negativos sobre a produção. Temos trabalhado arduamente para disponibilizar tecnologias inovadoras que possam ajudar os produtores no controle desses problemas no campo. Anualmente, temos investido mais de R$ 44 milhões em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos para oferecer soluções cada vez mais eficazes e sustentáveis”, explica o agrônomo e gerente de Marketing Regional da IHARA, Roberto Rodrigues.

Manejo de pragas entra em uma nova era na proteção do cultivo

Para a próxima safra, é fundamental que os sojicultores estejam preparados para lidar com os desafios nas lavouras e a adoção de defensivos agrícolas se torna cada vez mais essencial para garantir a produtividade e a segurança alimentar global.

De acordo com Perini, o manejo de pragas está entrando em uma nova era, com mais conhecimento sobre o comportamento desses insetos, os danos causados por eles e sua tolerância a determinados produtos. “Com base nessas informações, a indústria está desenvolvendo e disponibilizando novas formulações, com diferentes ingredientes ativos, que potencializam o efeito inseticida, garantindo um melhor controle desses detratores de produtividade”, reforça o pesquisador em etimologia.

Uma inovação recente ofertada pela IHARA, empresa de pesquisa e desenvolvimento de defensivos agrícolas, é o TERMIUS, que oferece alta performance ao potencializar os ingredientes ativos contra o Percevejo-marrom, garantindo maior poder de choque e residual prolongado do mercado. Com duas aplicações em um intervalo de sete dias, essa nova solução reduz significativamente a densidade populacional do inseto, ficando abaixo dos níveis de causar danos às plantações.

Outro importante inseticida contra percevejos é o ZEUS, que apresenta ação translaminar e sistêmica, conferindo uma completa proteção das plantas. Além disso, age por contato e ingestão, levando as pragas à morte rapidamente. Seu efeito de choque e residual proporciona resultados eficientes nas lavouras. “É um produto muito bom e fiquei impressionado com a sua eficácia. Em apenas 20 minutos, percebemos que os percevejos estavam todos mortos ou paralisados”, relata o produtor de soja da região de São João/PR, Everton Strapasson.

Controle de doenças e plantas daninhas aumenta produtividade no campo

É fundamental que o agricultor invista no manejo integrado e, sobretudo, preventivo também quando se trata de doenças que acometem o cultivo. Para se ter uma ideia, a Ferrugem Asiática é uma das principais razões para a quebra de produção no País por devastar até 90% de uma lavoura de soja; a Mancha Alvo, especialmente no Cerrado brasileiro tem causado perdas significativas nas plantações; o Mofo Branco, principalmente em regiões de maior altitude, tem permanecido no solo por longos períodos esperando uma condição adequada para se desenvolver em safras futuras; e mais recentemente, a Anomalia da Soja, também conhecida como podridão das vagens e de grãos da soja, se instalou incialmente na região médio norte de Mato Grosso e já tem se espalhando para outras áreas produtoras do Brasil.

O gerente de Marketing Regional da IHARA ressalta que a empresa tem estado bastante próxima os sojicultores nas regiões afetadas, levando ao campo fungicidas comprovados e atestados por pesquisadores renomados do mercado, como os produtos FUSÃO EC, ABSOLUTO FIX, SUGOY e ROMEO SC.

Para o controle da Ferrugem Asiática, o fungicida líder em eficiência é o FUSÃO EC, aliado ao fungicida protetor ABSOLUTO FIX, ambos atestados por uma equipe de especialistas de fitopatologia do Consórcio Antiferrugem, que realizaram diversos testes em diferentes regiões produtoras de soja do Brasil. O fungicida FUSÃO EC alcançou índice médio de 74% de efetividade em associação com fungicida protetor. Essa tecnologia também apresenta alta eficácia para outras doenças da soja como Mancha Alvo e Antracnose.

Na linha de fungicidas biológicos, os agricultores podem contar com o Romeo SC, que demonstra desempenho significativo nas lavouras de soja. Em 220 áreas, localizadas em 107 municípios onde ocorreram aplicações na safra 21/22, o agricultor teve um rendimento médio de 4,0 sacas a mais por hectare. Quando o foco é direcionado ao combate de doenças, o ganho de produtividade foi notável, possibilitando um aumento de 15% no controle da Ferrugem Asiática, por exemplo.

Para o manejo da Anomalia da Soja, o agricultor pode contar com a tecnologia comprovada do SUGOY. Em estudo realizado recentemente pela Rede da Podridão das Vagens, com nove instituições diferentes, o produto, quando comparado com a testemunha, apresentou alta eficiência, redução da incidência da doença, menor percentual de grãos avariados e níveis superiores em produtividade, recebendo qualificação máxima em termos de controle. 

Outro desafio enfrentado pelos sojicultores está relacionado ao combate das plantas daninhas. Para atender essa demanda, o herbicida YAMATO SC foi desenvolvido com uma tecnologia exclusiva de alta seletividade e longo residual no controle pré-emergente, mantendo a plantação no limpo por mais tempo e sem afetar a cultura subsequente.

“Para proteger as próximas safras e garantir a viabilidade econômica das lavouras de soja, o produtor deverá contar com acompanhamento técnico especializado, que dará o suporte necessário, visando com que os desafios específicos de cada região e em cada ciclo do cultivo sejam enfrentados com as melhores práticas de manejo e tecnologias disponíveis”, finaliza Rodrigues.

Iara Soriano/Asiimp/IHARA

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.