Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Objetivo é auxiliar produtores rurais a consolidar um modelo de agropecuária sustentável

Com o objetivo de auxiliar os produtores rurais do território Madeira a consolidar um modelo de agropecuária sustentável a partir do fomento das cadeias produtivas estratégicas, o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) realizou, na quinta-feira (14), em Humaitá (AM), a Oficina do Plano Amazônia + Sustentável (AM+S). Essa é a primeira das três oficinas que acontecerão no estado.

O evento reuniu gestores das três esferas de governo e de organizações parceiras para, junto com produtores e associações do sul do Amazonas, discutir a estruturação e implementação do Plano nos cinco municípios que compõem o território.

Formulado pelo Departamento de Reflorestamento e Recuperação de Áreas Degradadas da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Sustentável, Irrigação e Cooperativismo (Deflo/SDI) do Mapa, o Plano AM+S visa promover a integração de políticas públicas direcionadas para estruturação produtiva, acesso a mercados, aquisição de alimentos, inovação e valorização dos conhecimentos tradicionais nos nove estados da Amazônia Legal.

De acordo com o Superintendente Federal de Agricultura do Mapa, Guilherme de Melo Pessoa, a oficina é importante à medida que discute ações que se adequam às condições amazônicas, propondo um avanço na produção agropecuária, mas com um viés de sustentabilidade. “Temos muitas riquezas aqui e que nós, muitas vezes, desconhecemos. Por isso é fundamental o debate e a construção de uma carteira de projetos focada no desenvolvimento e no interesse dos produtores rurais dessa região”, argumentou.

Para a agricultora Adriana Souza Dias, que atua com bovinocultura de leite no distrito de Realidade (AM), essa iniciativa é muito importante, porque pode ajudar a todos no território a avançar de forma sustentável e crescer enquanto produtores. “Aqui a gente estava precisando disso. Conseguimos trabalhar com o que já temos, sem precisar desmatar, respeitando o meio ambiente. Mas nos falta o impulso, informações e políticas que nos ajudem a agregar valor aos nossos produtos e na comercialização deles. Queremos ter na Amazônia as mesmas oportunidades e o desenvolvimento da pecuária que existe em outras regiões”, declarou.

O presidente da Associação de Produtores do Hortifrutigranjeiro do Alto Crato, Fioravante Santos Simões, destacou a relevância de um evento como esse para impulsionar e desenvolver o setor. “É muito importante reunirmos os órgãos do governo e outras organizações para que o agricultor, o pecuarista e o piscicultor possam trocar informações, mostrar suas dificuldades e aspirações, e pensar juntos algumas estratégias para fortalecer a produção regional”, disse.

Realizada com o apoio da Agência de Cooperação Alemã GIZ, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e da Secretaria de Agricultura e Pecuária de Humaitá, a oficina reuniu representantes do Mapa, do Consórcio da Amazônia Legal (CAL), secretarias estaduais e municipais de Agricultura e Meio Ambiente, Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Amazonas (ADAF), Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Amazonas (IDAM), Sindicato de Trabalhadores Rurais, Banco da Amazônia, Sebrae, entre outras.

Soraya Brandão/Ministério da Agricultura e Pecuária

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.