Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A política remove montanhas, até aquelas que parecem intransponíveis. A aliança Lula-Alckmin acontecida na eleição passada, depois de décadas de atuação antagônica – um no PT e o outro no PSDB – é prova disso. Ambos conseguiram superar as diferenças e pruridos dos anos de críticas cruzadas e juntaram  o  capital político. Lula somou os votos carreados por Alckmin à chapa para, com isso, ter mais facilidade para bater Bolsonaro nas urnas. E entregou ao ex-governador paulista, então sem mandato, a lasca do poder cabível à vice-presidência, vitaminada pelo importante  Ministério da Indústria, Comércio e Desenvolvimento. A partilha pode ter desagradado tanto petistas quanto tucanos ou socialistas, mas rendeu frutos. O ex-governador – hoje filiado ao PSB - vem trabalhando a área econômica e oferecendo relevante suporte ao presidente nos assuntos genéricos que envolvem o governo. Agora, mesmo, deve estar perdendo os seus parcos cabelos para minimizar a polêmica em que o chefe do governo se meteu no caso Israel-Palestinos.

Na posse de Flávio Dino no Supremo Tribunal Federal, o vice-presidente teve outra atuação inusitada. Católico conservador reconhecido durante toda a vida, foi à festa na suprema corte e, depois dela, compareceu à missa ao lado do novo ministro, um suposto ateu, já que foi filiado e militante do Partido Comunista do Brasil (PC do B). Ambos assistiram ao ato religioso juntos e colocaram dinheiro no ofertório. Prova de que a política opera verdadeiros milagres. Menos mal quando isso está apontado para a pacificação, como parece ser o caso em tela.

Geraldo Alckmin – vereador, presidente da Câmara e prefeito de sua cidade, deputado estadual e federal, vice-governador e governador de São Paulo em vários mandatos e, agora, vice-presidente da República e ministro – tem estrutura e conhecimento suficientes para trabalhar a pacificação política. Oxalá encontre o espaço indicado para prestar mais esse serviço ao País que, a cada dia mais, necessita da ação de bombeiros mas, infelizmente, tem deparado com mais incendiários do que deveria.

Em sua atuação, o nosso vice-presidente tem ocupado os espaços de forma pacifista. Isso não só leva estabilidade ao governo como evita a eclosão de crises e desinteligências. Torcemos para que suas origens mineiras e até os exemplos do seu primo, o saudoso, habilidoso e bem-humorado José Maria Alkmin (que não, também foi deputado federal e vice-presidente da República), o inspirem e dêem forças para enfrentar as tormentas e as pedras que os diferentes possam colocar em seu caminho. 

Estamos entrando num período politicamente perigoso. As eleições municipais que ocorrerão em outubro serão a prévia ou pelo menos o indutor de tendências para as eleições gerais de 2026, quando todos nós, brasileiros, seremos chamados a votar para a eleição do próximo presidente da República, governadores estaduais, senadores e deputados. Oxalá se consiga em 2024 escolher prefeitos e vereadores que possam colaborar para a pacificação do ambiente.

Política é a arte de dialogar e transformar as divergências em resultados de acordos que beneficiem os dois lados da contenda. O Brasil nunca precisou tanto da atuação nessa direção. Exceto os seguidores fanáticos, todos os brasileiros querem que o País vá bem e sejamos todos felizes e recompensados. É preciso mediar as desavenças e acabar com a política q ue transforma o adversário em inimigo figadal que se quer ver morto ou pelo menos na cadeia. A aliança Lula-Alckmin é exemplo de que é possível reunir os diferentes em busca de um objetivo comum. Que esse esquema vitorioso influenciem todos os divergentes para se respeitarem e lembrar que enquanto se digladiam deixam de atender aos interesses do povo que neles votou. Abaixo a polarização...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - tenentedirceu@terra.com.br

* Os textos (artigos) aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do GRUcom -  Grupo União de Comunicação (Jornal União/Portal www.jornaluniao.com.br/Rádio e TV Jornal UniãoWeb).

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.