Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Escrevo sobre a frase de Lula a respeito da guerra entre Israel e o Hamas:

“O que está acontecendo na Faixa de Gaza com o povo palestino não existiu em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu. Quando Hitler resolveu matar os judeus”

Pois é. Se Lula fosse judeu e estivesse sentado na cadeira de Netanyahu é óbvio que a estas alturas já teria tomado meia dúzia de chopes com Al-Synvar. O terrorista teria trazido seus reféns de volta para aconchego familiar em Israel e, meio sem jeito, diria a Lula “Foi mal!”. Lula, por sua vez, encerraria o ciclo de negociações bebuns com um “Desculpa qualquer coisa, companheiro” e voltado cambaleante para casa. Mas Lula não é judeu, não é primeiro ministro de Israel, Al-Synvar é terrorista casca grossa e não bebe.

Então, como cidadão brasileiro, se pudesse falar a Lula, lhe diria o mesmo que o rei Juan Carlos I, de Espanha, disse a Hugo Chávez em novembro de 2007: “Por que no te callas?”. Mania essa de ficar, sempre, no lado errado da História, arrastando suas vítimas à mesma perdição!

 Para quem não lembra, escolher o lado errado é uma síndrome petista. Querem ver?

    O petismo foi contra a Constituição Federal (ele a queria mais socialista);

    Foi contra o Plano Real;

    Foi contra o pagamento da dívida externa;

    É contra as privatizações;

    É contra a Lei de Responsabilidade Fiscal

    É contra o teto de gastos;

    É contra o agronegócio;

    É contra o marco temporal e quer entregar tradicionais áreas de lavoura aos índios;

    Apoia as estripulias imobiliárias dos quilombolas;

    É contra o direito de propriedade;

    É contra o direito de herança;

    Quer implantar a novilíngua e impor a tirania do “politicamente correto”;

    Apoia, sustenta e agora alimenta as ditaduras de esquerda;

    Quer impor a censura das opiniões;

    Quer patrulhar as redes sociais;

    Criou o MST que promove invasões;

    Incentiva conflitos, quer sejam de classe, quer sejam identitários;

    Condena a atividade policial e protege a criminalidade;

    Quer desarmar as instituições policiais;

    Manifestamente entende que direitos humanos são privativos de bandidos e companheiros;

    Quer políticas de desarmamento dos cidadãos de bem;

    Jamais cogita em tomar as armas dos bandidos e enfrentar os estados paralelos das organizações criminosas;

    Opõe-se à redução da maioridade penal;

    Possui verdadeira fobia por presídios e órgãos de segurança;

    Vale-se da laicidade do Estado para sufocar os valores cristãos, relegando-os ao silêncio das consciências individuais, mas libera e estimula o ataque furioso e multiforme a esses mesmos valores;

    Transforma as salas de aula em laboratório de encolhimento de cérebros e formação de militantes;

    É contra a escola sem ideologia, homeschooling e escola cívico-militar;

    Defende o aborto e naturaliza sua prática;

    Oficializa o racismo com leis de quotas;

    Criou e instituiu o Foro de São Paulo;

    Aparelha a administração pública e os poderes de Estado com seus filiados e aliados;

    Onde exerce o poder, defende toda pluralidade, menos a de expressão divergente, mesmo quando amplamente majoritária;

    Financia obras para companheiros e governos maus pagadores;

    Empenhou-se em impingir à sociedade o PNDH-3 e, agora, quer aplicar a ideologia do partido à rede de ensino com o programa da Conae;

    Proporcionou os dois maiores e mais rumorosos escândalos de corrupção deste século, o mensalão e o petrolão.

Tendo sido testemunha viva e atenta desse período da história republicana, conheço pessoas que se encantam com o lado desastroso da história e querem viver nele. Não entendo os que, recusando o inteiro pacote resumido acima, deixam cair os braços, afirmam estar tudo dominado, e repetem, sem cessar, que falar não resolve. Ora, se não resolvesse, Lula e seus consectários não incluiriam entre os objetivos estratégicos comuns os itens 14 e 15 acima.

Percival Puggina (79) é arquiteto, empresário, escritor, titular do site Liberais e Conservadores (www.puggina.org), colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+. Membro da Academia Rio-Grandense de Letras.

* Os textos (artigos) aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do GRUcom -  Grupo União de Comunicação (Jornal União/Portal www.jornaluniao.com.br/Rádio e TV Jornal UniãoWeb).

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.