Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Carnaval, maior festa popular brasileira, tem o condão de divertir seus adeptos e, pela proporção que tomou em nosso País, constitui importante fonte de renda ao turismo nacional e potente indutora da economia das localidades onde se realiza. Tanto que recebe o aporte de verbas públicas para que as instituições a realizem com maior brilhantismo e desperte o interesse dos apreciadores locais e estrangeiros. É, também, no nível popular, um exuberante período de diversão do povo e esquecimento das mazelas do dia-a-dia. Não é atoa que sua realização praticamente pára a Nação para ver o bloco, o cordão, a escola de samba, o trio elétrico e tudo o mais passar.

Infelizmente, São Paulo teve a sua festa desse ano  manchada pela insensatez dos responsáveis da Escola de Samba Vai Vai, tradicional agremiação e titular de larga folha de realizações prestadas ao Carnaval paulistano que, em vez de passistas, pierrots, colombinas e outras alegorias positivas, escolheu trazer “demônios” ao sambódromo e – pior que isso – afirmar leviana e até criminosamente que seriam eles os integrantes de nossas forças policiais. Fizeram questão de ignorar os idealizadores do insólito desfile, todo o trabalho de Segurança Pública que nossas polícias realizam pela estabilidade social e bem-estar da população. Isso é uma irresponsabilidade e precisa ter seu preço exemplarmente cobrado para que o asbuso não se repita ou – pior – possa tornar-se habitual.

Não há  desculpa que possa justificar o comportamento de uma agremiação ao tentar impingir imagem negativa a uma força do Estado constitucionalmente encarregada de prover a segurança da população. A polícia – seja ela federal, estadual, civil, militar, montada, motorizada ou à pé, é a presença do Poder Público na defesa da população. Sua atuação não é política e nem antagônica  à manutenção da vida. Pelo contrário, é empenhada em proteger o cidadão de bem frente aos esquemas criminosos e aos desordeiros sociais. Ofendê-las é vilipendiar a sociedade a quem serve e contrariar os ditames legais. Isso aponta a necessidade de providências enérgicas. O Governo Federal, o governador do Estado, Tarcisio de Freitas (comandante-em-chefe da instituição ofendida), o Ministério Público e o Poder Judiciário precisam agir dentro das respectivas áreas de competência, para garantir a incolumidade da sociedade e de suas instituições.

Vivemos em São Paulo um difícil momento da Segurança Pública. As instituições da área têm trabalhado com afinco para manter o controle e evitar que a população caia no jugo do crime organizado. Os resultados têm sido positivos, embora tenhamos de lamentar o número de mortes. Mas, como se diz popularmente, não é possível fazer omelete sem quebrar ovos. O governo paulista, como executor da política de Segurança Pública, tem sido eficiente mas, data vênia, temos sentido a ausência pessoal do governador, embora não possamos reclamar a falta do seu  apoio à ;s ações desenvolvidas.  Pensamos, no entanto, que a presença física e a fala do chefe institucional no fragor dos acontecimentos seria um alento e segurança a mais para a sua tropa e aos que o ligam à base da pirâmide da Segurança. Governador, queremos saber o que o senhor está pensando sobre as Operações Escudo e Verão. Se o senhor pretende mantê-las ou não.

Mas o fundamental mesmo, na nossa modesta opinião, é que o chefe do Estado, comandante dos policiais ofendidos, tome suas providências e realize gestões junto ao Governo Federal e às instituições do Judiciário para que o achincalhe à maquina policial e a seus integrantes não se transforme em regra, pois isso seria altamente desgastante e prejudicial a toda a sociedade paulista. Os que avançaram o sinal precisam pagar o preço para, de uma vez por todas, ficarem claro que, apesar dos problemas, vivemos num Pais onde existem leis e elas são respeitadas...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)  - tenentedirceu@terra.com.br  - aspomil@uol.com.br

* Os textos (artigos) aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do GRUcom -  Grupo União de Comunicação (Jornal União/Portal www.jornaluniao.com.br/Rádio e TV Jornal UniãoWeb).

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.