Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Miguel Reale, em um dos capítulos do seu livro “De olhos no Brasil e no mundo”, nos chama a atenção para algumas questões a respeito da educação em nosso país.

Nesse escrito, notava ele, com sua pena e tinteiro que, nos anos 90, as Instituições de Ensino Superior estavam pipocando por todos os cantos de nosso país e que, tal florescimento, era visto por muitos como um sinal de progresso, de desenvolvimento e, acima de tudo, de orgulho.

Pois é. Mas o professor Reale (1910 - 2006) via esse cenário com outros olhos, tendo em vista que a raiz dos males da educação em nosso triste país são de outra cepa.

Sem dúvida alguma, é bom que tenhamos universidades. Se possível, muitas. Porém, mais importante que isso, seria podermos dispor de escolas melhor estruturadas e, deste modo, oferecer instrumentos mais aquilatados para a edificação dessa tal de educação.

No seu entender, uma nação que se ufana da criação de uma infinidade de Instituições de Ensino Superior sem, necessariamente, se esmerar para tornar as escolas um espaço propício para possibilitar que os indivíduos tornem-se mais dignos, prestativos e bons, seria um tremendo contrassenso.

Seria o mesmo que construir uma casa, de fachada vistosa, porém, sem alicerce algum.

E não era apenas o professor Miguel Reale que pensava assim. Muito antes dele, Domingos Sarmiento (1811 - 1888), afirmava o mesmo. De maneira enfática, em seu livro “Educación popular”, Sarmiento dizia que a qualidade da educação básica seria a medida, por excelência, da civilidade de uma nação. Pensemos nisso: a medida mestra da civilidade de uma sociedade é a qualidade da educação básica cultivada por ela.

Seria através de uma aquilatada educação básica que se poderia desenvolver a moral de um povo, pois, se não dominamos minimamente certas ferramentas intelectuais, se não integramos determinadas inclinações morais em nossa personalidade, nada de sólido poderá ser edificado e, por isso, as escolas, para Sarmiento, são a base da república, da civilidade, de uma vida digna em sociedade.

Dito de outra forma, curta e grossa, feito pino de patrola: se a educação básica é indigente e precária, a democracia, a cidadania e demais termos garbosos, não passarão de palavras bonitinhas usadas de forma vil para ocultar a realidade ordinária.

Por essa, e por uma infinidade de outras razões, que quando se reduz a finalidade primeira da educação a mera apresentação de dados estatísticos tremendamente duvidosos, pouco se pode esperar dos frutos que serão obtidos. Muito pouco mesmo.

Na verdade, os frutos já vem sendo colhidos há algumas décadas de contínua decadência e, por essa razão, todos nós, em alguma medida, temos um cadinho dessa decrepitude devidamente plantada no âmago da nossa alma. Podemos até negar, mas não temos como esconder esse trem.

Na real, todos nós enxergamos muito bem, com os olhos esbugalhados de indignação, o analfabeto funcional e a alienação que habita o coração e a mente dos outros, mas não queremos nem saber de reconhecer o alienante analfabetismo funcional que age folgadamente em nós.

E se não estamos dispostos a reconhecer que temos essa mancha, adquirida com o tempo, através da nossa [de] formação devidamente diplomada e avaliada, nada de bom poderá ser feito pelas futuras gerações, tendo em vista que a formação das crianças e dos jovens principia com a nossa inclemente autocrítica, com a correção da nossa educação mal adquirida e porcamente cultivada.

Esperar que as autoridades investidas, com o auxílio dos seus burocratas lotados em sinecuras sem a menor serventia, resolvam os problemas que, em grande medida, foram fomentados pela irremediável inépcia deles, seria uma tremenda falta de noção e de “outras cositas más”.

De mais a mais, é importante lembrarmos, junto ao altar da nossa consciência, que não apenas temos sempre algo novo para aprender, mas que, também e principalmente, teremos sempre muitas coisas para corrigir em nós e que isso não é, de jeito-maneira, o fim da rosca. Nada disso! Procurar a correção é ser gente, é ser consciente da nossa humana condição.

E se não somos capazes de abraçar essa empreitada de forma abnegada, se não estamos abertos para essa necessidade perene, o que estamos fazendo, de forma tola e voluntária, é nos tornar cada vez mais um homem abjeto, como bem nos adverte José Ortega y Gasset (1883 - 1955).

Aliás, como o mesmo nos diz, em sua obra “Los problemas nacionales y la juventud”, o homem abjeto é aquele indivíduo que se nega levantar, não aquele que cai; é aquele que não deseja refazer-se a partir da correção de seus erros; é aquele que não quer, nem a pau, libertar-se das suas ideias questionáveis, e de seus maus hábitos, há muito adquiridos.

Pois é, se somos um indivíduo desse naipe e, ainda por cima, cremos piamente que os outros devem fazer por nós tudo aquilo que nós não estamos dispostos a fazer por nós mesmos, é sinal de que, infelizmente, estamos, a passos largos, nos tornando não uma nação, mas um aglomerado de indivíduos abjetos, devidamente diplomados, que se recusam a reconhecer que temos muito a corrigir, principalmente com relação àquilo que presumimos saber tão bem.

Enfim, não se faz uma nação com uma horda de homens abjetos. O que dá para se fazer com uma galera dessa estirpe é outra coisa, cujo nome é melhor não dizer.

Dartagnan da Silva Zanela -  professor, escrevinhador e bebedor de café. Autor de “O SEPULCRO CAIADO”, entre outros livros - dartagnanzanela@gmail.com

* Os textos (artigos) aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do GRUcom -  Grupo União de Comunicação (Jornal União/Portal www.jornaluniao.com.br/Rádio e TV Jornal UniãoWeb).

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.