Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Que diriam Chico Anysio, Costinha, Dercy Gonçalves, Ronald Golias, José Vasconcellos, se chamados do Além para proferir algumas palavras neste velório silencioso do humor brasileiro? Por vezes, penso que alguém impôs sigilo até às exéquias do bom humor nacional.

No início, pareceu-me que as máscaras da Covid vinham para ficar. O riso e o sorriso sumiram sob a tirania dos elásticos e das sanções. No entanto, saíram os elásticos e as sanções permaneceram. Pobre e triste Brasil! Tão ferida está tua alma que o humor circula na criptografia dos e-mails e das mensagens pessoais que tanta curiosidade (e ira) suscitam. De fato, nas catacumbas onde alguma privacidade é preservada, os dias nos surpreendem com o qualificado humor de muitos.  A criatividade e a inteligência resistem à bisbilhoteira inteligentzia oficial.

O humorismo sumiu do rádio, da tevê, das revistas e dos teatros; está custodiado em uma ou outra página perdida por aí. Suprimiram-lhe os melhores personagens, os mais atuais e engraçados, ou seja, certos políticos e suas performances. Tomaram-lhe, principalmente, os penetras do palco, noviços da arte política e seus excessos. Se tiram do humor a vertente dos plenários e dos plenos, de onde viriam o riso e a graça? Das narrativas repetidas numa constância de provocar engulhos até em cantor de rap? Vamos deixar a realidade num cabide e fazer humor com os vestidos desta ou daquela dama?

O humor falece junto com a liberdade. Por isso, as verdadeiras democracias preservam o humor político como verdadeiro tônico da participação social; não prendem nem constrangem seus humoristas ao exílio.

A três palmos de meu nariz, estão os livros que mais frequentemente acesso. Entre eles, dois preciosos volumes de “Uma campanha alegre”, coletânea de artigos de Eça de Queiroz para o jornal “As farpas”, que ele e Ramalho Ortigão lançaram em 1871 para combater as instituições portuguesas de então. Creiam: é gênio em prosa!

Num texto de agosto desse mesmo ano, após criticar certa situação específica envolvendo a Câmara dos Deputados, ele interroga os parlamentares portugueses:

Por que não tiram, para maior comodidade de suas pessoas, a consequência lógica de seu procedimento? Se se desprenderam de todo respeito, por que não se desembaraçam de suas gravatas? Se se atribuíram o direito de dizer injúrias, por que não se dão o direito de trazer chinelas? Por que conservam uma certa compostura de toilette – se têm desabotoado tanto a dignidade?

E mais adiante, depois de uma página e meia de impiedosas ironias em cascata, parece falar para leitores de outro continente, 153 anos mais tarde:

Temos nós obrigação de respeitar a Câmara quando ela se não respeita? Ela vive nas assuadas indecorosas – e há de exigir que nos curvemos como se ela vivesse nas ideias elevadas?

Se alguém espera humor a favor, terá que se munir de paciência e boa poltrona. Não existe humor a favor, não existe humor pró! Para isso, o que existe é a ironia, mas cuidado, essa anda sobre o perigoso fio da navalha da hipocrisia. A causa mortis do riso e da graça é bem simples: o humor político se inspira em algo ou alguém que pode não gostar. Por isso, como toda forma de expressão do pensamento, precisa das garantias constitucionais. Para que tenha vida social, impõe-se que o humor seja contido, apenas, pelos limites de lei legislada em regime democrático, não da lei desejada por alguns espíritos arrogantes e de convicções itinerantes.

Percival Puggina (79) é arquiteto, empresário, escritor, titular do site Liberais e Conservadores (www.puggina.org), colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+. Membro da Academia Rio-Grandense de Letras.

* Os textos (artigos) aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do GRUcom -  Grupo União de Comunicação (Jornal União/Portal www.jornaluniao.com.br/Rádio e TV Jornal UniãoWeb).

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.