Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ao comparar as escaramuças na faixa de Gaza ao Holocausto e Netanyahu a Hitler, o presidente Lula mexeu num imenso vespeiro e dificilmente dele sairá isento de dolorosas ferroadas. Expôs o Brasil à constrangedora situação de ter o seu embaixador em Israel admoestado no Museu do Holocausto, em evento televisionado para o mundo, onde os israelenses o informaram sobre a história daquela hecatombe que dizimou 6 milhões de Judeus. O diplomata, por questão de ofício, ouviu coisas que já sabia desde os tempos de estudante, que os israelenses tinham vontade de dizer ao presidente – que demonstrou desconhecer por ignorância ou conveniência política – e, por isso, foi declarado “persona non grata”, pelo governo de Jerusalém.

Essa não é a primeira saia justa que Lula faz os diplomatas enfrentarem. Já arrumou confusão ao emitir opinião sobre a guerra Rússia-Ucrânia, ao endossar a denúncia da África do Sul (à Corte Internacional de Justiça) de que Israel estaria praticando genocídio e em incontáveis vezes que defendeu o indefensável ditador venezuelano Nicolas Maduro e outros radicais esquerdistas seus amigos. Deve alguém que sobre ele tenha alguma  ascendência (talvez dona Janja) convencê-lo a calar-se, independente do que pense sobre os temas explosivos colocados na ordem-do-dia, que não são de sua conta. .

Se um dia sonhou abiscoitar o Prêmio Nobel da Paz ou candidatar-se a secretário-geral ou dirigente da ONU (Organização das Nações Unidas), como especularam seus fiéis seguidores, os discursos pouco cuidadosos certamente já sepultaram qualquer possibilidade. O mundo não reconhece pacifista que apaga incêndio com gasolina e nem quem recorre à história para comparar acontecimentos primariamente diferentes. A única utilidade das falas lulistas que deram problemas é ter pregado o fim dos conflitos. Mas isso não produziu qualquer efeito, principalmente em comparação ao restante da obra.

Alguém precisa convencer o sr. Lula da Silva que ele já tem uma obra altamente importante e trabalhosa, que é governar o Brasil. Nosso País enfrenta sérios problemas que exigem pulso forte dos titulares dos Poderes Institucionais, até para evitar que eles se embolem e um usurpe prerrogativas e direitos dos outros. O presidente é mais útil em Brasília ou viajando pelo território nacional do que percorrendo o mundo e produzindo pérolas que podem nos atrapalhar internacionalmente.

Queremos Lula efetivamente à frente do governo e das decisões. Dando ao mundo a garantias de que esse é um país sustentável e promissor. Só assim conseguiremos atrair os investimentos para alavancar nosso desenvolvimento, criar os empregos que a população necessita e sustentar a produção do agronegócio e de manufaturados para exportação. Só a produção será capaz de sustentar o desenvolvimento e o bem-estar dos brasileiros. As contendas internacionais, por mais que chamem a atenção, não são de alçada do Brasil. Apesar de sermos um dos fundadores da ONU, a postura brasileira sempre foi pacificadora ou de neutralidade frente aos conflitos. Melhor que o atual e os futuros governantes não abandonem a tradição diplomática brasileira e deixe as grandes discussões para os países líderes do mundo, que além da força militar, têm o que oferecer de garantias e compensações aos que aceitarem sua mediação. Nós, brasileiros, se resolvermos os nossos problemas, já estaremos com a obrigação cumprida. Não temos o que investir na paz (ou na guerra) mundial... 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - tenentedirceu@terra.com.br

* Os textos (artigos) aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do GRUcom -  Grupo União de Comunicação (Jornal União/Portal www.jornaluniao.com.br/Rádio e TV Jornal UniãoWeb).

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.