Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Por meio do tempo litúrgico da Quaresma, a Igreja se prepara para celebrar o mistério do Cristo Ressuscitado, vencedor da morte e do pecado. Tal preparação acontece à luz da Palavra de Deus proclamada nas celebrações da Santa Missa, convidando-nos à conversão, ou seja, renúncia a toda forma de pecado para se viver com maior entusiasmo a vida nova do Espírito Santo.

No itinerário quaresmal, somos exortados por Cristo Jesus a fazer penitência por meio da esmola, da oração e do jejum, atentos a não praticá-la motivados pela vanglória dos hipócritas, cujo interesse é o culto a si mesmos (cf. Mt 6,1-6.16-18). A partir do apelo da Igreja "convertei-vos e crede no Evangelho", que cheguemos à Páscoa do Cristo ressuscitado mais comprometidos com o duplo mandamento do amor, sabendo que, sem o cultivo sincero do amor a Deus e ao próximo, não seremos nada mais do que pó e que ao pó retornaremos.

Ao mencionar a conversão ao mandamento do amor, recordamos que São João, em sua primeira carta, não deixa dúvidas sobre o estreito vínculo que há entre o amor a Deus e ao próximo: "Se alguém disser 'Amo a Deus', mas odeia o seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê. E este é o mandamento que dele recebemos: quem ama a Deus, ame também seu irmão" (1 Jo 4,20-21). Não foi à toa que, dentre as práticas penitenciais mencionadas por Jesus, a esmola simboliza o dever cristão de manifestar, em gestos concretos de misericórdia, o infinito amor com o qual Deus ama a todos.

Como ocorre anualmente por ocasião da Quaresma, o Papa Francisco presenteia à Igreja com uma mensagem. Neste ano, com o tema "Através do deserto, Deus guia-nos para a liberdade", o Santo Padre afirma que a Quaresma é tempo de agir, e agir significa também parar: "parar em oração, para acolher a Palavra de Deus, e parar como o Samaritano na presença do irmão ferido. O amor a Deus e ao próximo formam um único amor. Não ter outros deuses é parar na presença de Deus, junto da carne do próximo". Continua o Papa Francisco: "Por isso, oração, esmola e jejum não são três exercícios independentes, mas um único movimento de abertura, de esvaziamento: lancemos fora os ídolos que nos tornam pesados, fora os apegos que nos aprisionam."

O empenho de amar os irmãos mais necessitados motivou os bispos da Igreja no Brasil a promover a Campanha da Fraternidade. Já se vão 60 anos de uma caminhada de testemunho de fé, esperança e amor, onde a Igreja não mede esforços para atingir os seguintes objetivos: 1. Despertar o espírito comunitário e cristão no povo de Deus, comprometendo, em particular, os cristãos na busca do bem comum; 2. Educar para a vida em fraternidade, a partir da justiça e do amor; 3. Renovar a consciência da responsabilidade de todos pela ação da Igreja na evangelização, na promoção humana, em vista de uma sociedade justa, fraterna e solidária (cf. https://campanhas.cnbb.org.br/campanha-da-fraternidade).

Com o tema "Fraternidade e Amizade Social" e o lema "Vós sois todos irmãos e irmãs" (cf. Mt 23,8), a CF 2024 tem como objetivo geral, conforme o seu texto-base, promover e fortalecer os vínculos da amizade social, para que, em Jesus Cristo, a paz seja realidade entre todas as pessoas e povos.

Dentre tantos dons que Jesus ressuscitado concedeu à humanidade, damos destaque à paz, que não é simples resultado de "acordo entre cavalheiros", mas consequência da graça divina do encontro pessoal com Cristo Jesus, o Príncipe da Paz. Com tantas guerras em curso pelo mundo, sem contar o crescimento da violência urbana, como se torna urgente o nosso compromisso com a bem-aventurança ensinada por Jesus no Sermão da Montanha: "Bem-aventurados os que promovem a paz, pois serão chamados filhos de Deus" (Mt 5,9).

Nesse contexto, não poderia deixar de mencionar o legado carismático do saudoso padre Jonas Abib, justamente por ter ensinado sobre o princípio evangélico de viver a reconciliação em contínua dinâmica de dar e pedir perdão. Peçamos a Deus a graça da conversão à paz de Cristo, por meio da reconciliação e do cultivo do amor fraterno.

Padre Wagner Ferreira da Silva é presidente da comunidade Canção Nova e da Fundação João Paulo II - imprensa@cancaonova.com

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.