Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura promoveu uma reunião de orientação com os 60 contemplados pela Lei Paulo Gustavo em Cambé. O encontro serviu para passar todas as informações sobre recursos e contrapartidas, já que agora precisam executar o projeto e prestar contas para o município. Ao todo, serão distribuídos R$ 926.382,44 em diversas categorias de produção cultural audiovisual, demais setores e premiações.

Estela Camata, secretária de Educação e Cultura, explicou que esse encontro serve justamente para dar esse auxílio aos fazedores de cultura que receberão os recursos, sendo mais uma etapa do intenso processo do edital da Lei Paulo Gustavo. A secretária destacou que o processo foi iniciado ainda em junho do ano passado, por se tratar de uma lei completa e pelo anseio da Prefeitura em montar um edital que auxiliasse os cambeenses inscritos.

 “A lei veio para ajudar o setor de audiovisual, um fomento emergencial pós-pandemia, mas tinha também algumas aberturas para ampliar para outros setores. Com isso, seguimos todo o processo e orientação do Ministério da Cultura e também da Secretaria de Cultura do Estado do Paraná, e participamos de vários eventos com orientações. Toda a elaboração do edital teve um olhar muito criterioso. Também promovemos uma Conferência e o Fórum de Cultura no início do ano passado, já que precisávamos identificar quem eram os nossos fazedores de cultura. E o edital foi muito pensado para atender toda a expectativa deles. Foi um processo bastante cauteloso e de muito compromisso com os nossos artistas. Finalizamos no final do ano, e estamos iniciando agora o processo de empenho para o pagamento dos 60 selecionados”, relatou a secretária.

Mesmo após a divulgação dos vencedores e fim da disputa, a Secretaria segue prestando atendimento aos contemplados. Para isso, realizou a reunião com eles para solucionar dúvidas e repassar todos os próximos passos para recebimento de recursos, contrapartidas e prestação de contas, em um processo que também é bastante rigoroso para que tudo ocorra bem. “Tudo para finalizar da melhor forma, em um resultado que eu, enquanto secretária, e toda a nossa equipe aqui da Cultura estamos muito felizes e bastante satisfeitos”, concluiu Estela Camata.

Contemplados

O edital da Lei Paulo Gustavo contou com linhas de recursos para a produção audiovisual como curtas-metragens, documentários, videoclipes, elaboração de roteiros, videocast, websérie, cinema itinerante, pesquisa, proteção, digitalização, oficinas, mostras e cineclubes; mas também, uma linha de apoio para financiamento de agentes culturais de outras áreas; e os prêmios Danziger Hof, com prêmios de R$ 10 mil cada para pessoas que tiveram uma trajetória de contribuição cultural para o município de Cambé.

Simone Moreira dos Santos foi contemplada com o prêmio Danziger Hof, mas também foi selecionada para a produção de videoclipe de uma música de sua autoria: “Nasce uma Leoa”. Ela explicou que compôs a canção em homenagem à sua mãe, para mostrar o quanto ela era uma mulher muito especial, importante e um exemplo de pessoa em todas as áreas. No entanto, a artista achou que sua composição era muito grande para ficar reduzida apenas em um núcleo pequeno como a sua família, e inscreveu o projeto para que a grandiosidade da letra impactasse e atingisse também outras pessoas.

“Eu vi na música uma força gigante de mostrar para outras mulheres que todas nós somos importantes. Então, aproveitei a oportunidade da Lei para inscrever meu projeto e fazer um clipe baseado na história da minha mãe e, consequentemente, fazer com que todas as mulheres se sintam amadas, acolhidas, entendam que em todas as idades elas têm o seu papel na sociedade, que nasceram para serem protagonistas e que o mundo não seria o mesmo sem cada uma de nós. E ainda tem o prêmio que fui selecionada e me deixou muito feliz. São tantos anos de carreira e trabalho, e eu nunca me senti reconhecida na minha cidade. Então, estou vivendo um momento especial não só por conta de estar hoje com a possibilidade de ter o projeto realizado, fazer o vídeo, mas também por receber um prêmio como artista. É um orgulho esse reconhecimento por parte da Prefeitura. Um momento inenarrável”, destacou.

Outro contemplado tanto em linha de produção como no prêmio foi José Aparecido da Cunha, o mestre Guanabara. Morador de Cambé desde 1988, ele fundou a Associação de Capoeira Engenho Novo no mesmo ano, e fornece aulas e rodas de capoeira, confecciona equipamentos, dá oficinas, cursos e palestras, faz trabalho social, roda quinzenal com janta para todos os participantes e samba de roda anual.

Além do prêmio pela contribuição cultural em mais de 35 anos, o mestre também foi selecionado pelo projeto de produção de um documentário que conta a história da capoeira em Cambé. A ideia foi do vereador Jota Mattos, que fez a proposta para uma junta de mestres de capoeira no município, e eles escolheram o mestre Guanabara para ser o representante e condutor do registro histórico. O documentário irá levantar os anais da capoeira em Cambé desde o início dos anos 1980 até os dias de hoje, como quem começou, os primeiros participantes, as primeiras rodas, gravando a história da cidade que hoje tem uma capoeira muito forte, sendo reconhecida no Brasil e no mundo, segundo o mestre.

“A capoeira é um meio de transformação, oferece condições de convívio social e abre uma perspectiva de vida ao praticante. Eu só tenho que agradecer ao prefeito, a secretária de cultura e a equipe da Prefeitura por organizar a pasta e promover programas que possibilitem com que os recursos federais cheguem a pessoas como eu, que trabalham há mais de 30 anos na periferia e que antes eram invisíveis. O sentimento é de muita felicidade porque esse é um reconhecimento pessoal da minha história, minha luta, minha persistência, do meu valor como negro, capoeirista e cidadão. A ajuda financeira do prêmio vem para impactar diretamente porque vou investir tudo na minha academia, poder comprar instrumentos, inscrever mais crianças gratuitamente. Fora a verba do documentário para a construção do registro histórico da capoeira em Cambé”, disse.

O edital da Lei Paulo Gustavo também tinha linhas de investimento para outros segmentos culturais, como o Cambé Aprimora Arte, da artista Andrea Licio. O projeto visa a capacitação e aperfeiçoamento de técnicas de pintura profissional e acabamento em MDF e gesso. De acordo com a idealizadora, esse é um curso feito para elevar a qualidade do seu trabalho e comercializar peças com sucesso, voltado para pessoas que já tenham conhecimento em pintura e desejam aperfeiçoar o acabamento para dar mais garantia e durabilidade em suas obras. Além do aprendizado na prática, a formação também engloba estratégias de precificação e sugestões de como conquistar clientes.

Andrea Licio enfatizou que além do sentimento de estar entre os selecionados, a principal realização é poder colaborar para manter vivo os trabalhos manuais na sociedade, não deixando que esta prática perca a sua importância em um mundo tão tecnológico como o de hoje. “E claro, me sinto muito feliz por meu projeto ter sido contemplado, tanto pelo reconhecimento ao meu trabalho, como também por poder proporcionar a oportunidade a outras pessoas de obterem uma renda complementar através da venda de suas peças. Trabalhos artísticos manuais nos trazem satisfação, alegria e orgulho da nossa capacidade de produzir.”

O resultado final com todos os contemplados pela Lei Paulo Gustavo e suas respectivas linhas de atuação e projetos podem ser encontrados clicando aqui.

NCPMC

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.