Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Publicado pela Galileu Edições, o livro “Fêmeo” inclui mais de 40 letras de Bernardo Pellegrini, provenientes de seis álbuns

Ontem foi  lançado o livro “Fêmeo”, de autoria do músico e secretário municipal de Cultura, Bernardo Pellegrini. Publicada pela Galileu Edições, a obra é uma coletânea de mais de 40 letras de canções compostas por Pellegrini nas últimas quatro décadas, e cujas gravações estão em seis álbuns: “Humano Demais” (1990), “Dinamite Pura” (1994), “Quero Seu Endereço” (1998), “Big Bando” (2000), “É Isso que Vai Acontecer” (2010) e “Outros Planos” (2018).

Realizado no Bar Valentino (Rua Prefeito Faria Lima, 486), o evento de lançamento foi um recital em que o compositor e o editor do livro, Jardel Cavalcanti, promoveu um diálogo entre música e poesia, com participação do engenheiro de som Walter Martins. Quem não pode ir ao lançamento pode encomendar o livro através do endereço de e-mail galileuedicoes@gmail.com, também pelo preço de R$ 25.

De acordo com Pellegrini, a iniciativa de publicar a coletânea partiu do editor Jardel Cavalcanti. “Eu comprei um livro do escritor londrinense Maurício Arruda Mendonça, que tinha sido publicado pela Galileu Edições, e acabei conhecendo o Jardel e dando uma cópia do disco ‘Outros Planos’ para ele. Ele gostou bastante do álbum e sugeriu que a gente fizesse um livro com as minhas letras. Depois que o Jardel fez uma primeira seleção de alguns títulos, eu fiz uma revisão e sugeri outras letras de que também gosto”, disse.

O livro foi composto no formato plaquete – bastante popular na França – que consiste em obras relativamente curtas, com no máximo 70 páginas, sendo ideal para a rápida publicação de tiragens pequenas, a custos de produção acessíveis. Desde 2017, a Galileu Edições já publicou cerca de 140 títulos abrangendo poesia, traduções poéticas e ensaios, inclusive de autores londrinenses ou que tenham uma ligação com a cidade, como Maurício Arruda Mendonça, Rodrigo Garcia Lopes e Ademir Assunção. A editora conta, também, com uma publicação semestral – a revista “Bunker” – voltada à literatura e artes plásticas.

“Quando conheci o trabalho do Bernardo, fiquei com as letras dele na cabeça, eu as sentia como poesia. Foi isso que me deu a ideia de fazer o livro”, contou o editor e professor de história da arte, Jardel Cavalcanti.

Ele destacou que o livro “Fêmeo” leva o título de uma canção presente no álbum “Outros Planos”, de 2018. “É um título que remete ao feminismo e à necessidade de recuperar o feminino, pois o homem deve deixar de ser machista, grosseiro – esses valores tradicionalmente associados à masculinidade –, e assumir o seu lado sensível. Os artistas homens têm essa capacidade e essa sensibilidade”, afirmou o editor.

Pellegrini contou que a letra dessa música foi inspirada nas interações que tinha com sua filha, quando ela era criança. “A gente saía para passear e quando ela via um animal macho, dizia que era um ‘fêmeo’. Eu achava aquilo bonito, e um sinal de que as novas gerações de mulheres têm uma nova consciência sobre as questões de gênero”, salientou.

NCPML

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.