Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Quando o Norberto conheceu a Edneia, todo mundo falava que não ia dar certo.

O Norberto era chegado numa cervejinha, gostava das festinhas animadas na casa dos amigos, e às vezes, passava da conta e dava um vexaminho aqui e outro ali, quando misturava cerveja com destilado.

Já a Edneia, não bebia e não dava vexame, sequer dançava axé e pagode com as amigas e com o Norberto, que não perdia tempo nas coreografias do “Andou na prancha, cuidado tubarão vai te pegar”.

Por sorte, a Edneia tirou carteira de motorista naquele mesmo ano que se conheceram (o Norberto até sabia dirigir, mas reprovou quatro vezes nas provas teóricas, e acabou desistindo da carteira).

E dessa forma, com o Norberto bebendo e dando vexame, e com a Edneia de cara fechada, levando o namorado embora para casa, os dois continuaram se amando.

Todo mundo achava que depois de casados, o Norberto iria maneirar, afinal, o chefe da casa teria que ser um cara responsável...

Que nada!

Norberto continuou na sua pegada de bebedor de cerveja e dançador de pagode.

Tiveram um filho, e o Norberto parece que deu uma segurada. Continuou a beber nas festinhas e encontros com os amigos, mas os vexames foram diminuindo. Em algumas ocasiões, apenas cantorias altas horas da madrugada, com vizinhos chamando a polícia, de saco cheio de tanto ouvirem “Boate Azul”.

E foi justamente no aniversário de 18 anos de seu filho, que a Edneia inventou de experimentar o licor de jabuticaba. Sua vida nunca foi a mesma.

O licor de jabuticaba foi a porta de entrada para outras bebidas que ela decidiu tomar, só para saber que gosto tinha, entretanto, quando experimentou a cerveja, que seu marido tanto gostava, também se apaixonou.

Por algum período de tempo, Norberto e Edneia bebiam juntos, se divertiam juntos, se embriagavam juntos e iam embora para casa de carona com amigos.

Mas, a Edneia começou a despirocar quando bebia. Dançava em cima da mesa, perdia o sapato, caia no chão.

Norberto, no começo dava risada, mas depois não achava mais graça. Onde já se viu uma senhora respeitável dar tanto vexame?

Os amigos adoravam a Edneia, afinal de contas, ela passou a alegrar o ambiente nas festinhas e encontros com os amigos.

Esses dias atrás, o Norberto voltou a tentar tirar sua carteira de motorista, e finalmente, ele conseguiu.

E é dessa forma, com a Edneia bebendo e dando vexame, e com o Norberto de cara fechada, levando a esposa embora para casa, que os dois continuam se amando.

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2022 relançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores, disponível na Amazon, Americanas.com, Estante Virtual e Submarino.  rodrigojacutinga@hotmail.com

* Os textos (artigos) aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do GRUcom -  Grupo União de Comunicação (Jornal União/Portal www.jornaluniao.com.br/Rádio e TV Jornal UniãoWeb).

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.