Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Jorge morava numa casinha meia água com teto de zinco. A casa de Jorge ficava tão quente no verão, que fazia uma sauna parecer câmara fria.

Jorge detestava o calor de sua casa. Tentou colocar ventiladores, mas apenas espalhava o mormaço; tentou jogar água com uma mangueirinha sobre o telhado, porém, só gastava água e o calor não diminuía.

Sua casa parecia um inferno de tão quente naquele final de dezembro e início de janeiro.

Jorge sentia inveja dos peixes. 

Os peixes viviam nas águas e provavelmente não sentiam calor. 

Por isso, Jorge queria ser um peixe.

Com suas minguadas economias, conseguiu comprar uma piscina. 

Dessas piscinas plásticas para crianças.

Mas, não colocou a piscina no quintal, mas sim, bem no centro de sua sala. 

Ficava o dia inteiro deitado na piscina com a água até o pescoço, se refrescando. E podia a casa com teto de zinco estar pegando fogo, para Jorge, a água o protegia, pois se sentia um peixe.

Sua vontade de virar um peixe era tanta, que comentou com os amigos que um dia, iria para o Amazonas e se transformaria num Boto.

Por enquanto, Jorge estava satisfeito com sua piscina e nos dias de folga do final de ano, não saia de dentro da água. 

Assistia TV, comia e dormia dentro da piscina, só saia para ir ao banheiro.

Na noite da virada do ano, Jorge acabou dormindo na piscina e sua cabeça foi para dentro d’água, ficou submerso durante toda noite, e aos poucos, se transformou em um peixe, mas não em um Boto como queria e sim, em um grande Pacu. 

No outro dia, os amigos chegaram em sua casa para desejarem feliz ano novo, mas não encontraram Jorge, que dizia ir para o Amazonas virar um Boto.

Encontraram apenas o Pacu nadando alegre dentro da piscina.

Os amigos foram categóricos:

— Já que o Jorge foi para o Amazonas virar Boto, não vai se importar se a gente assar esse Pacu, para nosso almoço de ano novo. 

P.S.: Quero agradecer e desejar a todos os editores, redatores, jornalistas e, principalmente, a todos os leitores, Boas Festas e um feliz 2024!

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2022 relançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores, disponível na Amazon, Americanas.com, Estante Virtual e Submarino - rodrigojacutinga@hotmail.com

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.