Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Num futuro não muito distante, o homem enfim realizou um de seus principais objetivos colonizando um planeta vizinho: Marte.

A colonização se deu a passos lentos, mas aos poucos, o homem construiu bases para pouso e decolagem de aeronaves, inventou um sistema de oxigenação individual para a pessoa poder respirar sem usar muita parafernália etc.

Mais e mais terráqueos começaram a migrar para Marte. Era preciso construir habitações para essas pessoas, mas para que a adaptação ao novo planeta ocorresse de maneira natural, foi recriado o mesmo ambiente da Terra, sendo estruturados bairros com casas de alvenaria, ruas de asfalto, calçamentos etc., com isso, muitos pedreiros foram selecionados para trabalharem em Marte.

— Oh compadre Tonho! Cê não quer mesmo que eu leve seu currículo pra ir trabalhar em Marte?

— Larga mão disso compadre Zeca! Esse negócio não dá certo não!

— Por que compadre?

— Lá em Marte a gente pode tomar nossa pinguinha depois do serviço?

— Não compadre. Lá não tem nem bar.

— E fazer churrasquinho quando a gente acaba de encher laje. Pode?

— Também não. Na verdade a gente só vai comer comida em pílulas.

— E assobiar pra mulherada bonita que passa na rua? A gente vai poder?

— Não compadre. Lá em Marte não tem mulher passando na rua.

— Então compadre Zeca... eu não vou pra Marte coisa nenhuma, vou ficar aqui na Terra mesmo! – Concluiu o compadre Tonho, ajeitando o boné e coçando o barrigão.

Passaram-se dois meses e o compadre Zeca estava de volta à Terra.

— Ué compadre Zeca... já voltou de Marte?

— Voltei compadre. O negócio não deu certo não.

— Por quê?

— Choveu muito lá em Marte e com isso, a maioria das casas foram destruídas, o serviço foi perdido e até morreram mais de dez pedreiros que estavam lá com a gente. Agora não vão mais construir casas de alvenaria e com isso, os pedreiros foram todos dispensados.

— Nossa compadre! Mas tudo isso por causa da chuva? Mas então a chuva lá em Marte é mais forte que a chuva aqui da Terra?

— É compadre... principalmente, quando é chuva de meteoros.

Rodrigo Alves de Carvalho nasceu em Jacutinga (MG). Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2022 relançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores, disponível na Amazon, Americanas.com, Estante Virtual e Submarino. rodrigojacutinga@hotmail.com

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.