Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Projeto, sonoramente conduzido pela musicalidade afrodiaspórica, ganha show de lançamento em São Paulo. A agenda acontece no próximo dia 18/12, domingo, às 20h, na Sala Olido. Entradas são gratuitas

Funmilayo Afrobeat Orquestra, primeira banda de afrobeat brasileira formada somente por pessoas negras, mulheres e não binárias, lança seu primeiro álbum, ‘Funmilayo’, em todas as plataformas digitais. “Essa estreia é uma façanha! É o resultado de um processo coletivo de uma banda que se constituiu meses antes do mundo ser atravessado pela pandemia, num momento de medo generalizado e num governo caótico e autoritário que realizou imensos cortes na área da cultura e da educação. Apesar de todo o contexto jogando contra, esse disco vem ao mundo carregado de amor e vida, no intuito de ser semente”.

O nome da banda foi escolhido como forma de homenagear Funmilayo Anikulapo Kuti, professora, política militante, uma das ativistas mais importantes, tendo liderado a luta das mulheres por liberdade, pelo direito ao voto e por justiça social. Formada por Rosa Couto, Stela Nesrine, Jasper Okan, Sthe Araujo, Afroju Rodrigues, Ana Goes, Tamires Silveira, Vanessa Soares, Larissa Oliveira, Bruna Duarte e Priscila Hilario, Funmilayo Afrobeat Orquestra é conduzido por uma sonoridade que perpassa a ciranda às músicas de terreiro. 

“Esse disco surgiu pela vontade e ímpeto de homenagear mulheres negras brasileiras que representassem a luta pela igualdade. Para isso, escrevemos um projeto  – posteriormente inscrito e contemplado pelo Rumos Itaú Cultural – que propunha um estudo sobre essas mulheres, ações diretas com o público e imersão para o processo de composição”.

O álbum com 10 faixas foi gravado gratuitamente no Estúdio Experimental da Faculdade de Tecnologia de Tatuí-SP, acompanhado por uma equipe majoritariamente feminina, composta por estudantes do curso de Produção Fonográfica daquela universidade. Além disso, contou com a direção musical do músico e compositor Allan Abbadia - que atuou com nomes como Elza Soares, Zeca Pagodinho, Baby do Brasil, Mano Brown, Racionais MC’s, Emicida, Liniker, Luiz Melodia, Beth Carvalho, Jards Macalé e Moacyr Luz.

'Ori' é uma faixa ritual de abertura, com texto composto por Rosa Couto, declamado por Vanessa Soares e acompanhado pelas percussionistas Afroju Rodrigues e Sthe Araújo.

'Ondina', a segunda do álbum, tem letra de Jasper Okan, com arranjos criados coletivamente. Essa faixa conta a trajetória da preta velha Ondina, na luta pela liberdade através da fuga.

'Ciranda' foi composta coletivamente, a partir da harmonia proposta por Tamiris Silveira e letra de Rosa Couto. Para e respira: um afrobeat ao estilo dos anos 1970, com letra e voz de Ana Góes. Aaliyah é a única faixa instrumental do disco, composta por Tamiris Silveira.

'Fruta Semente' tem construção coletiva a partir da melodia e da letra criadas por Larissa Oliveira. Conta com a participação de Josy.Anne na voz e na caixa.

'Wikipreta' é de autoria de Stela Nesrine e Monna Brutal, que também faz uma participação - “é um jab direto no queixo”, diz Rosa Couto.

'Manifesto' parte de uma composição original de Afroju Rodrigues. A letra é um manifesto contra as opressões que os corpos femininos, negros, lgbtqiap+ suportam na lógica da colonialidade.

'Luvemba' surge a partir de uma composição de Jasper Okan e conta sobre a travessia e o firmamento, numa terra de encruzilhadas, de cultura negra, de encontro com os povos de Abya Yala (na língua do povo Kuna, “terra madura”, “terra viva”, “terra em florescimento”, sinônimo para América).

A música que fecha o disco, 'Nascer para Dentro', é de Ana Goes - um mantra e um chamado para o autoamor e cuidado, como uma viagem interior pelo caminho do reconhecimento, principalmente considerando a necessidade de transformação da experiência negra de auto negação. “A de luta, de ímpeto de transformação, de raiva, de luto, mas principalmente, a de resistência e crença no coletivo”.

Marcando a estreia, um show acontece no próximo dia 18/12, domingo, às 20h, na Sala Olido. As entradas serão gratuitas, com retirada de ingresso 1h antes da apresentação.

Ouça aqui: https://youtu.be/l0MLO7lSLx4

Yasmim Bianco/Asimp

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.