Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Publicação, que agrega a pluralidade da poesia londrinense, será lançada no Sesc Cadeião com homenagem ao escritor Maurício Arruda Mendonça

O circuito literário paranaense ganhará impulso vigoroso com o lançamento da Nova Antologia de Poetas Londrinenses, neste sábado (17), às 15 horas. O evento será realizado no Sesc Cadeião (Rua Sergipe, 52), com entrada franca.

O livro contempla 20 novos poetas, selecionados através de concurso promovido pelo Festival Literário de Londrina – Londrix. “É uma felicidade divulgar novos talentos, que desenvolveram suas poéticas em Londrina. Essa antologia contém, sobretudo, a pluralidade de autores qualificados”, afirmou Chris Vianna, organizadora e coordenadora editorial da publicação. Além de produtora cultural, atriz e professora, Vianna também é diretora do Londrix.

Nesta edição, o Nova Antologia de Poetas Londrinenses também reverencia o autor e dramaturgo Maurício Arruda Mendonça, um dos grandes escritores de Londrina, consagrado nacionalmente.

Nova Antologia de Poetas Londrinenses vem à tona 22 anos após a primeira edição que, no ano 2000, foi publicada como “12 Antologia de Poetas Londrinenses”. E a publicação contém obras de poetas convidados. São eles: Célia Musilli, Edra Moraes e Samantha Abreu e Felipe Pauluk.

O lançamento também integra a programação da 41ª Semana Literária do SESC/Territórios Imaginários: a Literatura em Trânsito. Com 120 páginas, o livro será comercializado por R$30,00. Os pedidos podem ser feitos pelo WhatsApp (43) 9 9941-7414 ou pelo e-mail: atritoart@gmail.com.

Realizado pela Atrito Arte Artistas e Produtores Associados (AARPA), o Londrix tem patrocínio da Prefeitura de Londrina, pelo Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROMIC), e apoio da Cultura Inglesa.

Concurso

Os 20 autores da obra foram selecionados na 16ª edição do Londrix, realizado em 2021, pelos curadores Claudia Freitas, Frederico Fernandes e Marcos Losnak. Cada autor poderia inscrever até três obras.

A lista completa é composta por: Ana Cristina Pereira; Amanda Midori; Cesar Augusto Carvalho; Danillo Villa; Danilo Neiva; Erica Lacerda; Fernanda de Abreu; Fernando Antonio Prado Gimenez; Gilberto Julia; Henrique Furtado; Jackie Rodrigues; Jéssica iIncoski; Julia Bahls; Marcelo Felipe Garcia; Maurício Pitta; Nicolas Moraes; Rodrigo Domit; Tamiris Anunciação; Vanessa Yida; Wilson Moreira.

O concurso se insere em um ciclo de formação de leitores e autores com trabalhos desenvolvidos em Londrina. A finalidade principal é que a cidade se mantenha como um celeiro de artistas das palavras, inspirando jovens e adultos a enveredar pela poesia.

Para a curadora Claudia Freitas, da primeira edição da Antologia, em 2000, até o momento, dezenas de participantes já registraram seus nomes e poemas no hall de escritores da terra, alguns consolidando carreira.

A professora de Literatura Brasileira e Portuguesa e escritora Claudia Freitas avaliou a importância do lançamento da nova Antologia: “Quando um escritor desponta em uma cidade fora do mainstream literário, leia-se Rio de Janeiro e São Paulo, festeja-se o talento individual e, não raramente, um percurso de formação autodidata. Mas quando o plural entra em cena e um grupo de autores longe do grande eixo chama atenção pelo artesanato literário, significa que toda uma engrenagem foi acionada”.

Homenagem 

Homenageado na Nova Antologia de Poetas Londrinenses, o escritor londrinense Maurício Arruda Mendonça se diz honrado com o tributo prestado por pessoas que se dedicam à poesia e à literatura.

Ou, como ele mesmo afirma, por pessoas que trabalham de maneira continuada para despertar o interesse pela ‘arte da escrita’. “Sou mais ligado talvez à dramaturgia, ao teatro, à tradução e, no entanto, a poesia é a minha primeira arte. Ser homenageado [nesta antologia] é muito significativo para mim. É um sinal de que a minha poesia possa ter alguma relevância para algumas pessoas”, comentou.

Mendonça começou a escrever poesias aos nove anos de idade. Foi na década de 1980, entretanto, que se dedicou a burilar palavras incentivado por um grupo de amigos – todos estudantes da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Conviveu com autores importantes em sua formação literária como Marcos Losnak, Rodrigo Garcia Lopes, Mário Bortolotto (que também escreve poesia e faz teatro) e Alexandre Horner. Cita também o poeta e jornalista Ademir Assunção, o primeiro a publicar seus textos na página Leitura, da Folha de Londrina. “Recebo essa homenagem com muito carinho, mesmo porque não é comum alguém ser homenageado em vida”, enfatizou Mendonça.

Biografia

Maurício Arruda Mendonça é poeta, dramaturgo, tradutor. Iniciou sua carreira artística em 1983. Tem mais de 15 livros publicados entre poesia, conto, teatro, pesquisa e ensaio literário, além de participação com poemas em antologias nacionais. Traduziu autores como Sylvia Plath, Rimbaud, Nenpuku Sato, Shakespeare, Beckett, Sam Shepard, Tony Kushner e Tracy Letts. Recebeu os prêmios Shell-RJ de Melhor Autor Teatral, em 2008 e 2012, pelas peças “Inveja dos Anjos” e “A marca da Água”.

Por dois anos consecutivos, entre 2013 e 2014, recebeu o Fringe First Award no Festival de Teatro de Edimburgo pelas peças “A Marca da Água” e “O Dia em que Sam Morreu”, além do prêmio Coup d’coeur 2014, do Club de la Presse, durante o Fringe Festival de Avignon, por esta última peça. Recebeu ainda o Prêmio Cesgranrio de Teatro 2014 de Melhor Texto Nacional por “O Dia em que Sam Morreu”. Em 2021 publicou seu estudo de literatura e filosofia “Kafka e Schopenhauer: zonas de vizinhança” e o livro “Luzes de Outono – Poesia Reunida” (1983-2020).

Asimp/Londrix

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.