Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

De quinta (24) a domingo (27), programação aberta do 12º Encontro de Contadores de Histórias de Londrina oferece três espetáculos gratuitos para públicos de todas as faixas etárias

Artistas paulistas e catarinenses mostram seus trabalhos na programação aberta do 12º Encontro de Contadores de Histórias (ECOH) de Londrina, até domingo (27). O evento, que leva narradores da cidade e de muitas partes dos Brasil para dentro das escolas, creches e outras instituições educacionais, tem também, todos os anos, espetáculos que o público em geral pode acompanhar de graça.

Um marca do festival é a diversidade, por isso o repertório é muito variado em seus temas, origens e formas de contar, além de cuidadosamente selecionado para emocionar pessoas de todas as idades. Nesta edição, a programação aberta e gratuita está sendo realizada em bibliotecas, vilas culturais e praças de Londrina. A grade completa das atrações pode ser consultada no site ecoh.art.br. Os ingressos são gratuitos, mas devem ser retirados uma hora antes do horário do espetáculo, no local da apresentação. Confira a agenda dos próximos dias.

O encantamento com os contos, a música, a poesia e as danças dos povos ciganos levou a atriz e narradora catarinense, Lieza Neves, a criar o espetáculo “Sob a Lua Cigana”, do Consonante Duo, de Florianópolis, atração do 12º Encontro de Contadores de Histórias de Londrina, nesta quinta-feira (24), às 19h, no SESC Londrina Centro (Rua Fernando de Noronha, 264).

Lieza se apresenta com o percussionista Márcio Bicaco. O espetáculo dura 50 minutos e é recomendado para adultos e crianças a partir de 10 anos de idade. “O roteiro traz referências simbólicas aos quatro elementos da natureza e às quatro fases da lua, além de movimentos das danças ciganas. O trabalho foi elaborado a partir de pesquisas em materiais acadêmicos e obras de literatura e música”, informou Neves.

Após a apresentação haverá roda de conversa com a atriz sobre o processo criativo de espetáculos narrativos para proporcionar um momento de troca de experiência com interessados na arte da oralidade.

O narrador Zé Bocca e o músico Marcos Boi (voz, violão e violino), de Votorantim (SP), fazem duas apresentações de “Histórias para Ouvidos Pequenos”, uma coletânea de lendas e contos do universo oral brasileiro e de outras partes do mundo. Com duração de 50 minutos, a primeira sessão será realizada na sexta-feira (25), às 10h, na Biblioteca do CEU – Centro de Artes e Esportes Unificados (Rua Ângelo Gaioto, s/n, Jardim Leonor), e a reapresentação está marcada para sábado (26), às 10h, na Concha Acústica (Praça 1° de Maio, Centro).

“Durante a apresentação o público é estimulado e desafiado a interagir, muitas vezes participando no palco. Canções e trava línguas também geram muita interatividade entre todos. É um espetáculo divertido para crianças, mas também pessoas de qualquer idade que tenham a disposição e a sensibilidade de parar para ouvir histórias”, convidou Zé Bocca.

Para a tarde de domingo (27), o ECOH programou “A Janela e o Espelho – Contos para Mergulhar”, da Cia. Diminuta, de São Paulo, que será apresentado às 15h, na Vila Cultural Barracão Tangará (Rua Augusto Severo, 544, Aeroporto). A classificação indicativa é livre e a duração de 50 minutos.

As atrizes Leticia Liesenfeld e Yohana Ciotti narram contos tradicionais que contêm forte simbologia relacionada aos elementos da natureza. A ideia do espetáculo surgiu depois de uma vasta pesquisa dos contos dos Irmãos Grimm desenvolvida pelas duas narradoras, como conta Letícia.

 “Tanto eu como a Yohanna estávamos muito interessadas em alguns contos que traziam imagens de água, de lago, de mar, de poço onde se busca água. E também na imagem das janelas que trazem uma perspectiva, onde as personagens se debruçam literalmente para tomar suas decisões ou para resolver as dores ou para fazer os pedidos mágicos”, disse a atriz.

Outra influência determinante na construção do espetáculo foi a ideia de Gaston Bachelard, filósofo e poeta francês, sobre a água como matéria que possibilita cruzamento e ajuda a imaginação. “Tem uma citação incrível do Bachelard: a água reflete e tem fundo, podemos utilizá-la como espelho ou como janela. Essa ideia de duplicidade, de refletir e de ter a profundidade, nos pareceu muito significativa, conversava muito com os contos que a gente estava lendo e estudando, essa imagem nos guiou na construção do espetáculo”, complementou a pesquisadora.

O 12º Encontro de Contadores de Histórias de Londrina é uma realização do Instituto Cidadania. Conta com patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura, por meio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura, o Promic. Tem ainda parceria institucional do Okupa, e apoio cultural de Vila Cultural Alma Brasil, SESC, CLAC, Vila Cultural Casa da Vila, e Barracão Tangará.

Christina Mattos  

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.