Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Realizado pelo Coletivo Luiza Mahin, o sarau faz parte de projeto contemplado pelo PROMIC.

Será realizado neste sábado (20), a partir das 16h, o evento festivo ÀJÒDÚN DAS PRETAS: EU, MULHER NEGRA, RESISTO! Tradicional no cenário cultural londrinense, este é o primeiro de três saraus que acontecerão em 2023 e que compõem o projeto de oficinas criativas “ÀJỌ̀DÚN DAS PRETAS: Mulheres, Olhares e Lugares”, contemplado pelo Programa Municipal de Incentivo à Cultura de Londrina, o PROMIC. Desta vez, o local de encontro é a Vila Cultural Alma Brasil (R. Argentina, 693). Produzido desde 2015, o projeto nasceu como Sarau das Pretas, mas, agora, se apresenta como Àjòdún, palavra que vem do Iorubá e significa reunião de pessoas para comemorar algo: neste caminho, a ideia é celebrar as mulheres pretas de nossa cidade, estado e país.

O início da programação fica por conta da DJ Nate Mônaco, que traz os embalos da black music. Em uma apresentação especial, o Coletivo de Ogãs AUETO fará um samba de caboclo para reverenciar a ancestralidade das pessoas pretas. E como samba nunca é demais, os bambas do Trinca do Samba garantem mais uma roda animada para fechar a noite. Durante todo o sarau será realizada a “Feira do Àjòdún”, que contará com expositores locais, além do “Espaço Erê”, com atividades direcionadas para as crianças. Outra tradição do evento são os momentos de “microfone aberto”; um convite para a participação do público com intervenções artísticas, leituras de textos, declamação de poemas ou apresentação de rimas.

Esta edição homenageará a vida e obra de Alzira Rufino, escritora e ativista que atuou fortemente no Movimento Negro e de forma pioneira no Movimento de Mulheres Negras. Em 1990, Alzira fundou a Casa de Cultura da Mulher Negra, espaço que tem o objetivo de contribuir com o desenvolvimento profissional de mulheres negras e oferecer apoio às vítimas de violência doméstica, sexual e racismo.

O Àjòdún das Pretas marca também o mês de maio, em consideração a data de 13 de maio (dia da abolição da escravatura, ocorrida em 1888). O evento busca também estimular a reflexão de que tal data não deve ser comemorada, pois trata-se de um dia de luta. A falsa abolição da escravatura levou o povo preto do Brasil a uma realidade de pobreza, marginalização e discriminação. Sem a verdadeira e necessária reparação histórica, a comunidade negra deve sublinhar essa data como um momento de denúncia do racismo que estrutura a sociedade brasileira.

O sarau, uma realização do Coletivo de Mulheres Luiza Mahin (LuMah), conta com a produção executiva de Álvaro Canholi, da PÁ! Artística e patrocínio do Prefeitura Municipal de Londrina, além do apoio da Vila Cultural Alma Brasil.

Luiza Mahin/Asimp

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.