Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Evento será realizado no sábado (10), na Vila Cultural Canto do MARL, com entrada gratuita; atividade visa valorizar a cultura afro-brasileira

Neste sábado (10), das 15h às 22h, será realizada a segunda edição do evento “Samba no Ayê”, promovido pelo Coletivo Samba no Ayê, com o objetivo de celebrar o Carnaval em Londrina. Com entrada gratuita, a ação será conduzida na Vila Cultural Canto do MARL (Avenida Duque de Caxias, 3.241, Centro), e toda a comunidade está convidada a participar. A Vila Cultural Canto do MARL conta com patrocínio da Prefeitura de Londrina, por meio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic). Já o evento “Samba no Ayê” recebe recursos financeiros municipais viabilizados pela Lei Paulo Gustavo.

A programação se iniciará com uma apresentação do grupo de maracatu Baque de Obá Kossô. Fundado em fevereiro de 2023, o coletivo é atualmente composto por 17 integrantes que tocam instrumentos tradicionais como alfaia, agbê, caixa, mineiro, atabaque e gonguê.

Além do Baque de Obá Kossô, o evento contará com a participação da sambista Òfatayo, da DJ Dayo, da DJ Cleópatra, do grupo Trinca do Samba e do sambista Braguinha. Também haverá a comercialização de pratos típicos, como xequeté (bebida à base de caldo cana) e acarajé, e os integrantes do Feirão da Resistência estarão presentes, oferecendo seus produtos.

A produtora geral do Coletivo Samba no Ayê, Nanjilè, explicou que a ação surgiu da vontade de criar em Londrina um evento que representasse os adeptos do candomblé. “Pensamos em criar um evento de caráter afro-religioso e afro-brasileiro”, disse.

Segundo ela, o nome da iniciativa tem origem no idioma Yorubá, em que Ayê significa Terra, enquanto Orun é o Céu, sendo assim uma celebração de caráter espiritual. Um dos diferenciais do Samba no Ayê é seu cardápio, com comidas e bebidas características da cultura afro-religiosa, adaptadas para o contexto festivo.

O objetivo é que o evento seja promovido mais duas vezes no primeiro semestre, com a participação de diversos artistas, em diferentes pontos de Londrina. Após este sábado (10), a previsão é que seja levado, no dia 11 de maio, à Quadra Flor de Jesus (Rua Flor de Jesus, s/n), na Vila Ricardo (zona leste). E, em 8 de junho, acontecerá na Vila Usina Cultural (Avenida Duque de Caxias, 4.159, Centro).

Anteriormente, a primeira edição do Samba no Ayê havia acontecido em Cambé, em julho de 2023.

Conforme o ator Josemar Lucas, que é um dos coordenadores do Movimento dos Artistas de Rua de Londrina (MARL), o evento visa valorizar a cultura afro-brasileira e celebrar com toda a cidade. “É uma homenagem ao samba e aos sambistas da cidade, assim como um momento de confraternização e de festa sobre a musicalidade, sobre a música popular brasileira e, sobretudo, o samba”, sublinhou.

A coordenadora e produtora do Baque de Obá Kossô, Luiza Braga, contou que, além de apresentações durante o ano todo, o grupo realiza ensaios abertos ao público todas as sextas-feiras, às 19h, na Vila Cultural Canto do MARL. Ocasionalmente, o coletivo também promove oficinas de instrumentos típicos voltadas a músicos de nações do maracatu e outros artistas da região.

“O estilo do Baque de Obá Kossô é o maracatu de baque virado, tradicional da região metropolitana de Recife, especificamente das nações do maracatu Porto Rico e Encanto do Pina. No contexto do maracatu, as nações são equivalentes às escolas de samba”, salientou.

Gabriel Navas/NCPML

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.