Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Espetáculo de sexta-feira (1) conta a história da ópera de Mascagni, mesclando narrativas com música, no Espaço Villa Rica

Até onde você vai por amor? Quais são os limites que o ser humano ultrapassa pelo que ele acredita ser o amor? A ópera “Cavalleria Rusticana”, de Mascagni, conta a história de Santuzza, apaixonada por Turiddu, que ama Lola, que é casada com Alfio. As escolhas feitas por esses personagens trazem graves consequências que podem ser sentidas pela música magistral de Mascagni ao transportar os ouvintes para a Sicília, na Itália, expondo o paradoxo entre fidelidade e submissão, amor e vingança, fé e ódio.

O espetáculo na sexta-feira (1), às 20 horas, no Espaço Villa Rica, faz parte do projeto Opera Viva e conta com a participação de Edineia Oliveira e Gisela Strass, ambas mezzosopranos, Christopher Whitt, tenor, Ana Paula Miqueletti, pianista, e o Coro Ópera Viva. “Senta que lá vem a Cavalleria Rusticana conta a história além da ópera e ensina a mergulhar na música, mostrando a ópera em um contexto diferente e recheado de música”, destaca Gisela Strass, idealizadora do Opera Viva.

Os ingressos custam R$ 70 inteira e R$ 35 meia entrada e estão à venda pelo link

https://villarica.pagtickets.com.br/senta-que-la-vem-a-carmen__5115/. Toda a agenda de concertos para 2023 pode ser acompanhada pelo site https://www.opera-viva.com/agenda

Plataforma sobre ópera

O projeto Ópera Viva terá, além dos concertos e espetáculos, lançou uma plataforma online com conteúdo exclusivo sobre ópera, trazendo conhecimento e novas experiências relacionados ao gênero musical. Por um valor de assinatura mensal de R$ 29,90, o usuário terá acesso às gravações dos concertos e vários conhecimentos para se aprimorar no universo da ópera. Para saber mais entre no link https://www.opera-viva.com/plataformaonline

Sobre Edineia Oliveira

Edineia Oliveira é Bacharel em Canto. Seus estudos iniciais foram com Vania Soares, Amim Feres, Neyde Thomas, Carmo Barbosa e Fernando Carvalhaes. Nos Estados Unidos aprimorou-se com Katherine Green, Mark Oswald e atualmente com Claudia Friedlander. Recebeu o importante prêmio Carlos Gomes de “Melhor Cantora do Ano”, além de vencedora de vários concursos de canto nacionais. Tem em seu repertório personagens como Ébole em Don Carlo, Carmen em Carmen, Amneris em Aida, Azucena em Il Trovatore, Serena em Porgy and Bess, Réquiem di Verdi, Maddalena em Rigoleto, Adalgisa em Norma e diversos outros. Executou extenso repertório sob a batuta de maestros como Lorin Mazel, Eiji Owe, Ligia Amadio, Alessandro Sangiorgi, Gennady Rozhdestvensky, Isaack Karabtchevsky, Fabio Mechetti, Allester Willians e outros grandes regentes internacionais. Seu repertório sinfônico inclui dezenas de obras como Synphonie no. 2 e Symphonie no. 8”, Matthäuspassion e Johannespassion, Messias, Petit Messe Solenele, Missa Criolla, Lobgesang, Requiem, Sea Pictures. Participou de óperas montadas em diversas versões como Dido e Eneas, Violanta, Pedro Malazarte, Bug Jargal, Il Tríptico, Suor Angelica - Zia Principezza, Il Tabarro - La Frugola e Gianni Schichi – Zita, The Rape of Lucretia, Santuzza e Lolla em Cavaleria Rusticana e Dalila em Samson et Dalila.

Sobre Gisela Strass

Formada em Gastronomia em 2006, pela Unopar, passou a trabalhar na administração do restaurante da família, onde já trabalhava desde a adolescência, conhecendo todos os setores da empresa. Em 2009 foi convidada por uma academia de ópera em Henfenfeld, na Alemanha, para estudar e aperfeiçoar sua voz. De lá voltou para Londrina e passou a promover jantares com concertos.

Cantou em vários concertos pelo Brasil e Alemanha, onde morou de 2017 a 2019 e desde então, sua paixão pela música e pela cultura a move para trabalhar em prol da música clássica e da ópera no Brasil, promovendo concertos e cursos de canto.

Desde 2017 Gisela vem trabalhando com a ópera em Londrina, junto com Edineia Oliveira, promovendo cursos para cantores e concertos, para revitalizar e dar força à essa arte no Brasil, e foi assim que veio a ideia de criar o “Ópera Viva”, um projeto ousado, que visa aproximar o público dessa arte, transformando vidas.

Sobre Christopher Whitt

Formado em Comunicação em Massa e Canto Lírico da Emory & Henry College, Virgínia (EUA), fez especialização em TEFL (Ensinando a Língua Inglesa como Língua Estrangeira) e mudou-se para o Brasil em 1999 em intercâmbio de professores. Iniciou seu canto com 4 anos de idade na Primeira Igreja Batista de Squire, Virgínia Ocidental, cantando Amazing Grace. Na faculdade fez vários Workshops de Ópera, cantou em musicais, e estudou canto lírico com Dr. Charles R. Davis, Dr. Mark Owen Davis e Dr. Marianne Gryzwacz. Cantou como solista com Johnson City Symphony Orchestra e fez musicais no Theatre Bristol e Blue Ridge Dinner Theatre. Em 2001, mudou-se para Londrina, onde continuou seus estudos de canto com Profa. Mimi Lück. Já cantou como solista com OSUEL (Orchestra Sinfônica da Universidade Estadual de Londrina).

Sobre Ana Paula Miqueletti

Licenciada em Música (2000) e pós-graduada em Performance – Piano (2007), foi professora temporária na UEL nas áreas de Metodologia e Prática em Educação Musical, Canto Coral e Piano. Foi professora no FIML (Festival Internacional de Música de Londrina) nas áreas de Educação Musical, Prática e Regência de Coro Infantil e Arranjo para Coro Infantil. Realizou diversos concertos, em turnê pela Europa, como pianista correpetidora do Coral Unicanto na Holanda, Alemanha, Suíça e Itália. Desde 2004, atua como regente, arranjadora e pianista no projeto “Um Canto em Cada Canto” - Educação Musical através da voz. Atualmente, leciona piano, é pianista correpetidora, e escreve arranjos para grupos vocais, coro infantojuvenil e coro adulto.

Claudia Romariz/Asimp

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.