Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Para Paulino Franco de Carvalho Neto, estabilidade social e econômica do país africano e papel moderador na região aproximam Brasil e Egito, que completam 100 anos de relações diplomáticas

Um país que mantém estabilidade econômica e social numa região em que o conflito é um dado quase permanente. Uma nação que se situa entre o primeiro e o segundo maior destino de exportações brasileiras para a África. Um governo essencial para que o Brasil conseguisse repatriar 117 brasileiros-palestinos que estavam na Faixa de Gaza. E um território fértil para novas parcerias, em especial no setor agropecuário.

Assim o embaixador Paulino Franco de Carvalho Neto define o Egito, país em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem uma série de agendas oficiais nesta quinta-feira, 15/2. "Essa visita se enquadra num marco importante, afinal são 100 anos de relações diplomáticas ininterruptas", lembrou o embaixador brasileiro no Cairo.

Na visita de Estado oficial do presidente Lula está prevista uma reunião com o presidente egípcio, Abdel Fattah Al-Sisi, assinaturas de atos bilaterais, almoço oficial e declaração à imprensa. O presidente Lula também visitará a sede da Liga dos Estados Árabes, no Cairo.

Em 2023, o comércio bilateral entre os países chegou a US$ 2,8 bilhões (sendo US$ 489 milhões em produtos egípcios importados pelo Brasil e US$ 1,83 bilhão em produtos brasileiros exportados). Na África, o Egito ficou atrás apenas da Argélia nas relações comerciais com o Brasil, com US$ 4,2 bilhões. O país africano também se tornou integrante do BRICS em 2024 e participará do G20 a convite do governo brasileiro, que preside o bloco até dezembro.

"Há muito interesse aqui no Egito em tentar repetir, na medida das circunstâncias e possibilidades daqui, a experiência exitosa que tivemos com a Embrapa há 40 anos, quando conseguimos gradualmente tornar a agricultura brasileira uma potência", afirmou o embaixador brasileiro.

O comércio entre as nações tende a aumentar nos próximos anos, após a abertura do mercado egípcio a diversos produtos brasileiros em 2023, como peixes e derivados, carne de aves, algodão, bananas e gelatina e colágeno. A expectativa é de que o governo egípcio aprove em breve novos abatedouros e frigoríficos no Brasil para exportação de carne bovina. Também será discutida a abertura de uma rota aérea entre os dois países, ligando São Paulo ao Cairo.

Moderação

O embaixador também enfatizou o papel estratégico do Egito no contexto geopolítico, por ter uma diplomacia ativa e estar numa região em que os conflitos são quase que permanentes. "O Egito, a exemplo do Brasil, tem um papel moderador, um papel de equilíbrio em busca de soluções pacíficas para os conflitos aqui da região, especialmente agora no conflito entre Israel e Hamas. É importante ressaltar que o Egito teve papel fundamental de apoio à evacuação de cidadãos brasileiros que estavam na Faixa de Gaza. Sem o Egito, nós não teríamos conseguido agir da maneira que nós agimos, com êxito", explicou.

Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.