Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Parlamentares seguiram o parecer do Tribunal de Contas do Estado do Paraná, que concluiu pela regularidade das contas

Os vereadores e as vereadoras de Londrina aprovaram por unanimidade entre os presentes (17 votos), na sessão da terça-feira (20), as contas do Município de Londrina relativas ao ano de 2021, sob responsabilidade do prefeito Marcelo Belinati (PP). Os parlamentares seguiram o entendimento da Segunda Câmara do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR), que indicou no Acórdão de Parecer Prévio nº 381/2023 a regularidade com ressalva das contas.

 “Temos desafio muito grande quando falamos em prestação de contas. Mas temos que esclarecer alguns pontos que muitos não sabem. A Lei Orgânica de Londrina dispõe que a Câmara não poderá julgar as contas sem o parecer do Tribunal de Contas. Somos obrigados a ter esse parecer para nos guiar”, disse o vereador Eduardo Tominaga (PSD), líder do prefeito no Legislativo. Conforme a Constituição Federal, compete às câmaras municipais julgar as contas do chefe do Poder Executivo municipal. Mas o parecer prévio emitido pelo Tribunal de Contas só deixa de prevalecer por decisão de 2/3 dos membros do Legislativo Municipal.

O TCE-PR concluiu pela regularidade das contas, mas com ressalva, considerando que os pareceres dos conselhos municipais de Saúde e de Acompanhamento e Controle Social do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) não estavam assinados pela maioria de seus membros.

A controladora-geral do Município, Beatriz de Oliveira Teixeira, participou da sessão e explicou o motivo da ressalva feita pelo órgão de controle. “No primeiro julgamento das contas, por um equívoco, nós deixamos de juntar os pareceres do Conselho do Fundeb e do Conselho de Saúde. E na segunda chamada nós juntamos os documentos. Inclusive, havíamos aplicado além dos valores constitucionalmente exigidos (nas áreas de Saúde e Educação). O conselheiro fez uma avaliação de que faltavam algumas assinaturas, mas acho que houve um equívoco. São 28 membros oficiais do conselho, sendo que 22 deles assinaram, maior do que o quórum mínimo de 50% que ele cita. Os membros que ele considera que não assinam, na verdade, são membros suplentes”, afirmou.

A Comissão de Justiça, Legislação e Redação e a Comissão de Finanças e Orçamento acataram os pareceres exarados pela Assessoria Jurídica e pela Controladoria da Câmara de Londrina e manifestaram-se favoravelmente ao acórdão do Tribunal de Contas.

Marcela Campos/Asimp/CMC

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.