Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Entre 2022 e 2023, número contabilizado teve redução de 128 para 43 denúncias; proibição de uso de artefatos visa preservar a saúde e o bem-estar de pessoas e animais

O número de denúncias relativas à utilização de fogos de artifício com estouro caiu de 128 para 43 em Londrina, quando comparadas as viradas de ano de 2022/2023 e 2023/2024. O órgão responsável pelo recebimento e atendimento das denúncias foi a Guarda Municipal (GM), através de sua central telefônica, que pode ser acionada pelo número 153. A GM, inclusive, solicita nessas ocasiões que a população envie imagens gravadas do uso dos fogos de artifício ruidosos, pois isso auxilia a fiscalização.

No total, seis termos de constatação foram lavrados nos locais dos fatos. Esses documentos, assim como os referentes às demais situações, serão encaminhados para a Gerência de Fiscalização Ambiental da Secretaria Municipal do Ambiente (Sema), para avaliação e possível lavratura da multa.

Conforme estabelecido pelos decretos municipais nos 1.642/2018 e 1.454/2022, e pela lei municipal no 13.585/2023, a comercialização e o uso desses artefatos são proibidos no Município. O objetivo é preservar a saúde e o bem-estar de animais de estimação, pessoas autistas, crianças e pacientes acamados, entre outros cidadãos que podem ser prejudicados pelo uso de fogos de artifício ruidosos.

De acordo com o secretário municipal do Ambiente, Ronaldo Siena, somente 12 denúncias haviam sido registradas durante o Natal, mesmo número do ano anterior. Siena destacou, também, que na virada do ano de 2018/2019, data da entrada em vigor da legislação, 1.865 situações haviam sido contabilizadas.

“Nos últimos anos, o número de denúncias diminuiu muito, e a gente acredita que se continuar dessa forma, no próximo ano ou no outro quem sabe possamos zerar o número de denúncias. Isso é graças ao trabalho que a Sema vem fazendo na área de educação ambiental, à própria imprensa que vem divulgando cada vez mais essas questões e, principalmente, à conscientização do cidadão londrinense”, disse.

Ainda segundo o secretário, em Londrina não há nenhum estabelecimento com alvará que permita a venda de fogos de artifício com estampido, e isso também contribui para a diminuição do número de denúncias. “A somatória das ações realizadas vai inibindo essas práticas, e pretendemos que cada vez mais pessoas tenham conhecimento dessa legislação e passem a cumpri-la. Por isso, continuaremos a promover atos de divulgação e conscientização”, afirmou.

Multas

Nas situações em que é constatado o flagrante, será lavrado um auto de infração, que estabelece punição, na forma das multas definidas pela legislação, que vão de R$ 60 a R$ 3 mil, a depender da extensão da infração. É importante destacar que esses valores são dobrados quando há reincidência.

Toda pessoa autuada tem direito de apresentar defesa, no prazo de 20 dias, junto à Comissão de Assessoria Técnico-Administrativa (Cata) da Sema, que poderá acatar ou não a defesa. Se o munícipe não concordar com a decisão, terá a possibilidade de protocolar recurso, também no prazo de 20 dias, junto ao Conselho Municipal do Meio Ambiente (Consemma).

Denúncias de maus-tratos aos animais

Em 2023, a Sema, por meio da Diretoria de Bem-Estar Animal (DBEA), também contabilizou 1.075 denúncias de maus-tratos aos animais e realizou 2.586 vistorias referentes a esses casos.

Essas denúncias podem ser encaminhadas à pasta por meio do formulário on-line (acesse aqui), sendo que após a conclusão do processo, a Sema informa o denunciante, por e-mail, sobre as medidas tomadas.

Conforme a lei municipal 12.992/2019, são definidos como maus-tratos diversas práticas como agredir ou golpear animais; abandonar, envenenar ou causar sofrimento físico a eles; manter animal em local desprovido das condições mínimas de higiene e asseio; abusá-los sexualmente; e deixar de prestar assistência veterinária e demais cuidados que garantam o bem-estar animal, entre outras atitudes. Quando ocorrem casos de envenenamento, violência ou agressão, é preciso procurar uma delegacia de Polícia Militar para fazer um boletim de ocorrência. Dessa forma, os fiscais da DBEA serão acionados para averiguar o caso, não sendo suficiente fazer a denúncia somente com base em vídeos ou fotografias enviadas.

Hoje, a legislação prevê pena de dois a cinco anos de detenção para quem pratica esse tipo de ato contra animais domésticos, silvestres, nativos ou exóticos. A pena é aumentada de um sexto a um terço se o crime causar morte ao animal. 

Ulisses Sawczuk e Daiane Dutra/NCPML

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.