Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Monumentos já estão especialmente iluminados para marcar a data; trabalho foi feito pela Londrina Iluminação

A Prefeitura de Londrina está participando do “Julho Amarelo”, que reforça as ações de vigilância, prevenção e controle das hepatites virais. A campanha foi instituída no Brasil pela lei federal nº 13.802, de 2019. Para marcar a ação, a Prefeitura, por meio da Londrina Iluminação (LI), decorou com luzes especiais o Viaduto Edson de Jesus Deliberador, o Monumento “O Passageiro”, Concha Acústica, a fachada da Biblioteca Pública Municipal, Praça da Garça, a cascata do Lago Igapó e o Monumento Bíblico. O arranjo deverá permanecer pelas próximas semanas.

A hepatite é uma inflamação do fígado que pode ser causada por vírus ou pelo uso de alguns medicamentos, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas ou genéticas. Nem sempre a doença apresenta sintomas, mas, quando aparecem, estes se manifestam na forma de cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

No caso específico das hepatites virais, que são o objeto da campanha Julho Amarelo, estas são inflamações causadas por vírus classificados pelas letras do alfabeto em A, B, C, D (Delta) e E.

Pontos de atração turística marcam campanha. Fotos: LI

Formas de contágio

As hepatites virais podem ser transmitidas pelo contágio fecal-oral, especialmente em locais com condições precárias de saneamento básico e água, de higiene pessoal e dos alimentos; pela relação sexual desprotegida; pelo contato com sangue contaminado, através do compartilhamento de seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos perfuro-cortantes; da mãe para o filho durante a gravidez (transmissão vertical), e por meio de transfusão de sangue ou hemoderivados.

O contágio via transfusão de sangue já foi muito comum no passado, mas, atualmente é considerado raro, tendo em vista o maior controle e a melhoria das tecnologias de triagem de doadores, além da utilização de sistemas de controle de qualidade mais eficientes.

No Brasil, as hepatites virais mais comuns são provocadas pelos vírus A, B e C. Existem ainda, com menor frequência, o vírus da hepatite D (mais comum na região Norte do país) e o vírus da hepatite E, que é menos frequente. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento para todos os tipos de hepatite, independentemente do grau de lesão do fígado.

O desconhecimento sobre a doença é um grande desafio. Por isso, a recomendação é que todas as pessoas com mais de 45 anos de idade façam o teste, gratuitamente, em qualquer Unidade Básica de Saúde e, em caso de resultado positivo, façam o tratamento que está disponível na rede pública (Fonte: Ministério da Saúde).

NCPML

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.