Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Para receber a certificação, os municípios precisam seguir pré-requisitos, como a implantação do Conselho e do Fundo do Meio Ambiente, ter plano diretor em execução que conte com diretrizes para a área, além de adequar a estrutura de funcionários e ter um órgão capacitado. Entrega foi feita pelo governador Ratinho Junior.

A cidade de Londrina, no Norte do Paraná, vai manter a autonomia para a gestão dos processos de licenciamento, monitoramento e fiscalização ambientais. O governador Carlos Massa Ratinho Junior entregou ontem (28) ao prefeito Marcelo Belinati o certificado da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo que renova a descentralização da gestão ambiental pelo município.

Com o objetivo de agilizar esses processos, a descentralização de licenciamento ambiental é um recurso disponível aos municípios que cumprem as exigências estabelecidas pela Resolução número 110/21 do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Cema), para que se tornem capazes de tomar decisões que envolvam atividades de baixo impacto ambiental.

 “Com a autonomia para emissão dos licenciamentos pelos municípios, como Londrina, estamos quebrando a burocracia que muitas atrasava os investimentos na cidade, porque esses processos precisavam passar tanto pelo Estado, quanto pelo município. Agora não, os órgãos municipais fazem a liberação, agilizando os trabalhos e a atração de investimentos pela cidade”, ressaltou Ratinho Junior.

O secretário estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Everton Souza, explicou que houve uma atualização nos processos de descentralização, que estão previstos na resolução 110/21 do Cema.

“Essa atualização veio justamente para melhorar a relação entre o Estado e os municípios. Alguns que já executavam parte do seu licenciamento, ainda não tinham acesso ao nosso sistema de gestão ambiental, por isso a renovação. Isso faz com que tenhamos o controle de todos os licenciamentos que as cidades que têm autonomia estão fazendo”, explicou o secretário. “Pela qualificação técnica que é exigida, podemos garantir que os licenciamentos continuam sendo feitos de maneira técnica e jurídica, de acordo com a legislação”.

Segundo ele, além de garantir mais agilidade na gestão ambiental do município, a descentralização também acelera os processos nas outras cidades, que são atendidas pelo Estado. “Londrina é a segunda maior cidade do Estado e tem um peso bastante grande no número de processo de licenciamento de empreendimentos. O fato de o município se preparar para assumir o licenciamento permite que a equipe do escritório do IAT na região Norte tenha mais tempo para atender os demais municípios”, explicou Souza.

Descentralização

Para receber a certificação, os municípios precisam seguir pré-requisitos, como a implantação do Conselho e do Fundo Municipal do Meio Ambiente, ter plano diretor em execução que conte com diretrizes para a área ambiental, além de adequar a estrutura de funcionários e ter um órgão capacitado para esse fim. Além disso, os profissionais do município precisam passar por uma capacitação do Instituto Água e Terra (IAT).

A iniciativa valoriza a competência da administração municipal, que compartilha com todas as esferas do governo a responsabilidade pela gestão ambiental. Atualmente, além de Londrina, as cidades de Maringá, São José dos Pinhais, Guarapuava e Curitiba já possuem a descentralização da gestão ambiental.

“Antes disso, os licenciamentos eram feitos por órgãos governamentais que muitas vezes estavam distantes da nossa realidade. Agora o governo passa essa responsabilidade para o município, o que vai facilitar a maior parte desses processos”, ressaltou o prefeito de Londrina, Marcelo Belinati. “Para a população entender, até para fazer um asfalto é preciso a autorização do órgão ambiental. Essa é uma ação muito importante, que vai desburocratizar esses processos e trazer muitos benefícios à cidade”.

Com o certificado, Estado e municípios atuam em cooperação nas ações administrativas relacionadas à proteção das paisagens naturais, do meio ambiente, o combate às diferentes formas de poluição e a preservação das florestas, da fauna e da flora.

Licenciamento

O município descentralizado só pode licenciar algumas atividades específicas, com menor impacto ambiental, dentro das seguintes atividades: extração mineral; atividades agropecuárias; atividades industriais; serviços de infraestrutura; gestão de resíduos sólidos; comerciais e serviços; serviços médico, hospitalar, laboratorial e veterinário; empreendimentos imobiliários e atividades florestais. As demais são de competência do Estado, por meio do Instituto Água e Terra.

Presenças

Participaram da solenidade o vice-governador Darci Piana; os secretários estaduais da Segurança Pública, Wagner Mesquita; do Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, Augustinho Zucchi; e da Comunicação Social e da Cultura, João Evaristo Debiasi; o chefe da Casa Militar, tenente-coronel Sérgio Vieira; o chefe de Gabinete da Governadoria, Darlan Scalco; o presidente do Instituto Água e Terra (IAT), José Volnei Bisognin; o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Hudson Teixeira; e os deputados estaduais Márcio Nunes, Boca Aberta Júnior, Tercílio Turini e Tiago Amaral.

Ascom/Sedest

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.