Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em 2024, iniciativa vai contemplar 10 mil alunos das creches e escolas municipais com 19 modalidades culturais e esportivas, oferecidas por entidades parceiras

A Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria Municipal de Ensino (SME), lançou oficialmente o Programa Vencer, através do qual são realizados diversos projetos esportivos e culturais nas escolas e Centros Municipais de Ensino (CMEIs). O programa consolida uma iniciativa que vem sendo realizada na rede municipal de ensino desde 2022, em parceria com diversas organizações da sociedade civil (OSCs).

Neste ano, serão atendidos cerca de 10 mil alunos, de 83 escolas e 33 CMEIs, com exceção apenas de cinco unidades que estão em reforma. As crianças contempladas estão matriculadas do C3 ao 5º ano, e têm idades entre 3 e 11 anos.

Ao todo, 19 modalidades serão oferecidas de segunda a sexta-feira aos alunos, no período de contraturno escolar, o que é viabilizado mediante um investimento de R$ 4,35 milhões por parte do Município, em recursos próprios. A partir do dia 19 de fevereiro, durante todo o ano letivo, haverá atividades de judô, karatê, taekwondo, atletismo, basquete, futsal, musicalização, circo, dança, canto coral, ballet, esportes de aventura, psicomotricidade, badminton, handebol, capoeira, ginástica rítmica, xadrez e teatro.

De acordo com a secretária municipal de Educação, Maria Tereza Paschoal de Moraes, o programa enfoca a formação integral dos alunos.

“Os projetos culturais fomentam a expressão criativa, incentivando a imaginação e a fantasia como elementos educativos, e promovendo o desenvolvimento dos estudantes. Em contrapartida, os projetos esportivos proporcionam interação social, transmitindo conhecimentos específicos de cada modalidade, contextualização histórico-cultural, experiências técnicas e físicas, além de valores educacionais. Ambos integram a parte diversificada do currículo, conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, sendo oferecidos em contraturno escolar para ampliar a permanência dos estudantes na escola. Além disso, colaboram para o desenvolvimento das Habilidades e Competências do Referencial Curricular do Paraná, destacando a valorização de manifestações artísticas, o cuidado da saúde e a ação pessoal e coletiva com autonomia”, realçou Moraes.

A abrangência do programa praticamente dobrou em relação a 2023, quando foram conduzidas 10 modalidades e contemplados 5 mil alunos. E o aumento é ainda maior quando considerado o projeto-piloto da iniciativa, conduzido em 2022, que alcançou 1 mil crianças com as modalidades de judô, circo, teatro e dança, oferecidas em 20 unidades de ensino.

No momento, os coordenadores dos projetos e os diretores das unidades escolares estão alinhando as datas e os horários em que as modalidades serão realizadas. Anteriormente, foram feitas reuniões com foco em aspectos do planejamento pedagógico.

É importante destacar que as parcerias com as OSCs foram firmadas através de editais de chamamento. O primeiro deles, publicado em 2022, foi prorrogado recentemente e contempla 10 modalidades, enquanto o edital seguinte, do ano passado, acrescentou 9 modalidades à iniciativa.

O professor da rede municipal de ensino e responsável pelo apoio técnico pedagógico da SME, Alexandre Segantin, destacou que o Programa Vencer agora conta com um nome e uma identidade visual, que o consolidam ainda mais. “A partir de agora, o programa tem um nome e uma cara, e o logo dele vai ser incluído nos uniformes esportivos das crianças, nos documentos oficiais e em todas as peças visuais de divulgação, o que é muito importante”, disse.

Ainda segundo ele, a resposta da comunidade escolar à iniciativa tem sido extremamente favorável. “No ano passado, fizemos uma pesquisa junto às unidades escolares, através de questionários on-line, e tivemos um resultado fantástico. Esses questionários foram respondidos pelos diretores das unidades, que consultaram também os conselhos escolares e os professores. O retorno que recebemos foi muito positivo, mostrando a aceitação da comunidade em geral e o comprometimento dos docentes com a proposta”, salientou.

Uma das entidades participantes do programa, desde seu início, é a Associação Londrinense de Circo (ALC). Em 2024, a ALC atenderá 2.060 crianças de 46 escolas, distribuídas em 114 turmas, com as modalidades de circo, ginástica rítmica, balé, teatro e psicomotricidade.

O coordenador dos projetos de circo e ginástica rítmica da entidade, Sérgio Oliveira, afirmou que as práticas culturais, artísticas e esportivas desempenham um papel fundamental para o desenvolvimento das crianças. “Através da nossa participação nesse programa, pudemos ver que a rede municipal de ensino e seus professores são muito qualificados. Os alunos precisavam de projetos como esses, que promovem uma educação proativa, em que as crianças são estimuladas a se expressar e se comunicar em um ambiente de segurança e respeito. Isso faz com que elas aprendam não só o conhecimento formal, teórico, mas também como lidar com o mundo”, frisou.

Atividade de formação

 No total, cerca de 100 instrutores das diferentes entidades serão responsáveis por conduzir as atividades nas escolas e creches municipais em 2024. Durante todo o dia de ontem (6), na Unopar Catuaí, foi realizada uma atividade de formação para esse público, também envolvendo os coordenadores e gestores dos projetos.

De manhã, as equipes gestoras receberam orientações sobre questões administrativas e pedagógicas. E, no período vespertino, a ação também contemplou os professores, abordando integralmente aspectos pedagógicos. Como conclusão da formação, foi realizada uma palestra sobre Práticas Antirracistas na Escola, ministrada pela professora Juliana Bueno.

NCPML

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.