Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Índice de infestação vetorial predial do município de Londrina está em 3,40%; região leste é a mais afetada, apresentando um índice local de 5,08% de infestação

Ontem (19), a Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), apresentou os resultados do primeiro Levantamento Rápido de Índices para o Aedes aegypti (LIRAa) de 2024. Após a vistoria de 10.043 imóveis em todas as regiões da área urbana da cidade, constatou-se que o índice de infestação da dengue está em 3,40%, o que significa que a cada 100 imóveis visitados, cerca de três estavam com focos positivos do Aedes aegypti. Este é o índice mais baixo dos últimos cinco anos, porém ainda indica um estado de alerta sobre a infestação do mosquito.

De acordo com as informações levantadas pelos agentes de combate a endemias (ACEs), que fizeram a coleta dos dados em campo, 84% dos focos positivos foram encontrados nos quintais das residências. Os locais mais comuns são dentro de bebedouros de animais, vasos de plantas e água de chuva armazenada em objetos no quintal. Os outros 16% foram encontrados dentro das casas das pessoas, geralmente em recipientes de degelo em geladeiras e pequenas fontes ornamentais.

A região mais afetada é a região leste de Londrina, que apresenta um Índice de Infestação Vetorial Predial (IIVP) de 5,08%. É a única região da cidade com índice considerado de risco, enquanto as outras áreas apresentam índices considerados de alerta. A região sul apresentou um índice de 3,41%, nas regiões oeste e centro o índice é de 2,90%, seguidas pela região norte com índice de 2,81%.

Conforme a escala de Análise de Risco Entomológico seguida pelo Ministério da Saúde (MS) e pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o IIVP acima de 3,9% é considerado de risco. Entre 1% a 3,9% é estado de alerta e abaixo de 1% é satisfatório.

 “Historicamente não se costuma ter duas epidemias seguidas, entretanto, os dados desse janeiro de 2024 são preocupantes. Existe a possibilidade de uma possível epidemia este ano também. Por conta disso, nossas ações nesse momento serão fundamentais, pois estamos em período de muito calor seguido de chuvas, cenário ideal para a proliferação da dengue. Então temos esse desafio de evitar que essa epidemia aconteça novamente. O recado maior para a população é a necessidade imediata da remoção de criadouros. Por isso, fazemos esse apelo, que cada cidadão cuide do seu quintal e das suas residências. Essa é a ação mais efetiva para o combate ao mosquito”, apontou o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado.

Os bairros mais preocupantes, apontados pelo LIRAa, são o Jardim Felicidade, que apresentou um índice de 36% de imóveis com dengue; seguido pelo Jardim Tarumã, com 17,1% de casas positivadas; São Jorge (15,8%); Roseira (15,6%); e São Pedro (15,5%);

Os dados da SMS apontam que, entre 1º e 19 de janeiro deste ano, Londrina teve 1.301 notificações de suspeita de dengue, dos quais 104  já foram confirmados e 98 descartados. Outros 1.099 estão em análise e nenhum óbito foi registrado.

O resultado deste LIRAa foi apresentado no auditório da Unicesumar, na avenida Santa Mônica, 450, em reunião do Comitê Gestor Ampliado da Dengue. E contou, também, com a presença da vereadora Lenir de Assis, a diretora de Vigilância em Saúde, Cláudia Monteiro, a representante da 17ª Regional de Saúde, Andreza Soutto, e com a apresentação do coordenador de Endemias, Nino Ribas.

Fumacê

Para contribuir com o combate ao mosquito Aedes aegypti, o município iniciou ontem (19), a aplicação do fumacê em bairros de todas as regiões urbanas da cidade. Serão 700 litros do inseticida, aplicados em cinco ciclos com intervalo de três a cinco dias entre cada aplicação. O intervalo pode variar devido a condições climáticas e, em caso de chuva, ventos fortes ou temperaturas não favoráveis a aplicação precisa ser adiada.

A aplicação do veneno começa pelos bairros da região sul da cidade e seguirá para a região leste, norte e oeste. Ao completar um ciclo em cada região, a aplicação retornará à região sul para iniciar o segundo ciclo, e dessa forma, sucessivamente, até completar todos os cinco ciclos previstos para todas as regiões.

Os bairros listados para receber o inseticida, na região sul, são o Jardim Santa Joana; Jardim Campos Elísios; Conjunto Novo Perobal; Jardim São Lourenço; Jardim Jatobá; Jardim Del Rey; Conjunto Cafezal I; Jardin Alto do Cafezal; Conjunto Cafezal II; Conjunto Cafezal; e Jardim Acapulco. Na região leste, por sua vez, são os bairros Jardim Aragarça; Conjunto Ernane Moura Lima; Conjunto José Bonifácio; Conjunto Guilherme Pires; Residencial Abussafe; Residencial Abussafe II; Conjunto Alexandre Urbanas; Jardim Meton; Vila Ricardo; Jardim Morumbi; Jardim Marabá; Jardim Santa Fé; Vila Romana; Vila Romana II; e Conjunto Eucaliptos.

Seguindo para a região norte da cidade, os bairros que irão receber o fumacê são o Conjunto Chefe Newton; Jardim Paraty; Jardim Palmas; Jardim Maria Celina; Assentamento Nossa Senhora Aparecida; Parque São Jorge; Residencial Jequitibá; Jardim Padovani; Residencial Vista Bela; e Moradas de Portugal. Por fim, na região oeste, os bairros são o Jardim Leonor II; Jardim Leonor I; Jardim Santa Rita; Conjunto Santa Rita; Jardim Leonor; Conjunto Santa Rita V; Jardim Maria Lucia; Jd. Santiago; Jardim Santiago II; e Jardim Santa Madalena.

Os horários de aplicação do veneno são das 4h às 10h e das 16h às 21h30, e irão ocorrer em todos os dias da semana. Nesse período, a orientação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é para que a população proteja os animais domésticos, comedouros, bebedouros e alimentos, evitando a contaminação. E também é recomendado que todos mantenham os ambientes abertos e arejados para que o inseticida adentre nos imóveis.

Para a realização deste trabalho estão sendo utilizados quatro veículos da Secretaria de Saúde do Estado (SESA), próprios para o fumacê.

Campanha 

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) aproveitou a reunião do Comitê Gestor Ampliado da Dengue para anunciar o início da campanha 10 Minutos Salvam Vidas. A campanha consiste na distribuição de panfletos com check list por parte do Agente de Combate a Endemias (ACEs), aos moradores das casas visitadas nas vistorias prediais.

Nesse panfleto, a população terá a informação de cada item do qual precisa se certificar que não há água parada ou exposta. Como, por exemplo, as bandejas de geladeira, vasos de plantas e recipientes plásticos. O intuito da campanha é que as pessoas façam a vistoria frequente de seus quintais e residências e possam anotar no panfleto quais itens já foram vistos e quais ainda faltam verificar.

O material foi desenvolvido pela Coordenação de Controle de Endemias, e foi baseada em modelos já utilizados em outras cidades, porém adaptados para a realidade vista no município de Londrina.

NCPML

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.