Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

No período, Londrina, Cambé e Arapongas foram os municípios que mais contrataram

Em janeiro, a região de Londrina registrou 16.226 contratações, de acordo com dados no novo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados pelo Ministério do Trabalho e Previdência. Segundo o levantamento, houve 13.773 demissões e o saldo do período foi de 2.453 empregos formais.

No mês anterior (dezembro de 2023), a região foi responsável por 10.214 admissões, 13.466 demissões e um saldo negativo de 3.256 empregos.

As cidades com maior número de contratações, em janeiro, foram Londrina (9.591), Arapongas (1.898) e Cambé (1.259). Os três municípios também foram os que mais demitiram, com 7.978, 1663 e 1.181 demissões, respectivamente.

Dos contratados no período, 55,53% eram homens e 44,47% mulheres, a maior parte (63,43%) tinha ensino médio completo e idades entre 18 e 24 anos (29,34%). O setor que mais contratou foi a indústria.

Os municípios da região incluem: Londrina, Bela Vista do Paraíso, Cambé, Ibiporã, Jataizinho, Sertanópolis, Tamarana, Alvorada do Sul, Assaí, Jaguapitã, Pitangueiras, Sabáudia, Florestópolis, Porecatu, Primeiro de Maio, Arapongas, Centenário do Sul, Guaraci, Lupionópolis, Miraselva, Prado Ferreira, Rancho Alegre, Rolândia, Sertaneja, Uraí.

Trabalho temporário

Em janeiro, o Brasil registrou 81.102 admissões de trabalhadores temporários.  Robson Bini,  gerente da Employer Recursos Humanos em Londrina, explica que a contratação de trabalhadores temporários é vantajosa para as corporações.

 “Contratar trabalhadores temporários pode ser vantajoso para lidar com picos sazonais de demanda, reduzir custos de treinamento e flexibilizar a força de trabalho conforme necessário”, diz.

Segundo dados da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem) estima-se que 22% dos trabalhadores temporários sejam efetivados, superando os 20% registrados no ano anterior. Marcelo de Abreu, vice-presidente da Employer Recursos Humanos e diretor de Desenvolvimento Estratégico da Asserttem, destaca que o trabalho temporário pode ser um aliado para aqueles que buscam realizar essas mudanças.

"Essa modalidade é uma porta de entrada para profissionais em busca de novos mercados ou para aqueles que desejam retomar suas carreiras", afirma Abreu. Ele acrescenta que, dependendo do desempenho do profissional, há a possibilidade de efetivação em uma nova posição.

Direitos do Trabalhador Temporário  

Na modalidade temporária, o trabalhador tem anotação em carteira e os direitos assegurados pela legislação 6.019/1974. Dentre os direitos, estão inclusos pagamento de horas extras, descanso semanal remunerado, 13o salário e férias proporcionais ao período trabalhado. Ele recebe 8% dos seus proventos a título de FGTS e o período como temporário conta como contribuição para a aposentadoria.   

Vale ressaltar que na legislação, o trabalhador temporário pode ser contratado por até 180 dias, com a possibilidade de prorrogação por mais até 90 dias. A efetivação pode acontecer a qualquer momento desse período. Junto à Previdência, o trabalhador temporário também tem todos os direitos garantidos, desde que se respeite a carência mínima exigida para o pagamento dos benefícios.   

Ana Cunha/Asimp/Employer Recursos Humanos  

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.