Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Proposta, assinada por Lenir de Assis e outros dez vereadores, traz regras de atendimento para serviços de saúde. PL ainda passará por 2º turno

Por unanimidade (19 votos), a Câmara Municipal de Londrina (CML) aprovou, na sessão da terça-feira (5), em primeiro turno, projeto de lei (PL) que estabelece procedimentos a serem adotados nos serviços públicos e nos serviços privados integrados ao SUS em casos de perda gestacional, natimorto e perda neonatal. O PL nº 42/2023, que cria o Programa de Apoio às Famílias Enlutadas “Brilho de Luna”, foi aprovado na forma do substitutivo nº 1, de autoria da vereadora Lenir de Assis (PT) e de outros nove parlamentares: Lu Oliveira (PL), Mara Boca Aberta (sem partido), Prof.ª Flávia Cabral (PP), Giovani Mattos (Podemos), Nantes (PP), Mestre Madureira (PP), Prof.ª Sonia Gimenez (PSB), Daniele Ziober (PP) e Beto Cambará (Podemos).

Idealizadora do projeto, Lenir de Assis afirmou que a proposta foi solicitada por uma família que, assim como tantas outras, não recebeu o suporte necessário das instituições de saúde e passou por situações de desvalorização diante da perda. “Os pais da Luna nos procuraram um ano atrás solicitando essa lei. A lei visa dar dignidade neste momento tão peculiar e difícil para as mulheres e toda a família. São muitas as pessoas que vivem esse drama, com traumas que muitas vezes ficam para sempre. É um projeto longo, pelas várias sugestões que recebemos, de mulheres, da Secretaria Municipal de Saúde e de profissionais de saúde”, disse.

Dentre os pontos do PL, a vereadora destacou a garantia de acomodação separada no ambiente hospitalar para mães em situação de perda e mães que tiveram seus filhos nascidos vivos; a garantia de participação do pai ou de outro acompanhante durante a retirada do feto; e a possibilidade de decisão sobre o sepultamento.

Durante o debate sobre o projeto, a fundadora do Instituto para Sempre Luna, Izabela Picelli de Carlo Simão, compartilhou sua experiência e explicou a importância do projeto, que foi solicitado à vereadora Lenir de Assis por ela e pelo marido, Rafael Filipe Rodrigues Simão. “Sou mãe de três filhos, Lucas, Théo e Luna. Por duas vezes senti falta de humanização. Meu primogênito, o Lucas, foi natimorto, eu estava com 7 meses de gestação e ele morreu no útero. […] O ultrassonografista viu que eu estava nervosa por não estar sentindo o bebê e simplesmente falou: ‘Você perdeu líquido, sua gestação está parada. Vou fazer um laudo e você está dispensada’”, recordou. “A Luna nasceu bem e prestes a sair do hospital teve uma infecção hospitalar. A Luna veio como um cometa. Ela me mostrou que esse luto gestacional e neonatal é muito grande. E as pessoas não sabem como reagir; essas famílias não são prioridade para o hospital”, disse.

Após a aprovação do projeto em primeiro turno, os vereadores terão prazo de sete dias úteis para apresentar emendas (modificações) à proposta. Depois o PL retorna ao plenário, para votação em segunda discussão.

Marcela Campos/Asimp

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.