Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Copel dá dicas de pilotagem segura e boa convivência com a rede elétrica 

No último mês, a Copel registrou no Paraná cinco acidentes causados por drones pulverizadores que se chocaram com a rede elétrica. Os incidentes aconteceram na área rural de Palotina, Londrina, Nova Cantu, Formosa do Oeste e Ubiratã, e provocaram, em algumas situações, desligamentos de energia.

Trata-se dos primeiros casos de acidentes dessa natureza registrados pela companhia no estado. Os incidentes aconteceram após a publicação da nova Resolução 710/2023 da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), que simplificou as regras para uso de drones em atividades agrícolas, como na dispersão de sementes, fertilizantes e defensivos nas lavouras. 

Ao mesmo tempo em que contribui para facilitar o uso de novas tecnologias no campo, a regulamentação demanda maior cuidado e preparação por parte dos pilotos. A colisão de um drone com a rede elétrica, por exemplo, pode provocar queda de energia, causar acidentes com a população e com os profissionais da Copel, além de danos materiais às aeronaves.

Prevenção de acidentes

Os drones são aeronaves não tripuladas. Seu uso é regulado pela ANAC e coordenado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), órgão do Ministério da Defesa que controla e organiza os fluxos de tráfego aéreo no Brasil.

Os drones que fazem a pulverização agrícola são aparelhos modernos, que podem carregar até 90 quilogramas de fertilizantes e produtos químicos. Por isso, para realizar um voo com segurança e evitar acidentes, Vitor Marzarotto, coordenador da frota de drones da Copel Distribuição – a segunda maior do país – dá algumas dicas. 

"O primeiro passo é realizar um planejamento detalhado e informar às autoridades sobre o plano de voo, o que no caso dos drones também é conhecido como ‘solicitação de voo’. Para isso, é necessário acessar o sistema SARPAS, em www.decea.gov.br/drone, e inserir as informações solicitadas pelo DECEA", explica Marzarotto. O portal também disponibiliza orientações de uso do espaço aéreo e informações sobre a legislação em vigor.

O coordenador ressalta que essa é uma etapa essencial porque, além de informar as autoridades sobre os detalhes do voo, o condutor vai programar a localização, detalhar o perfil da operação e do voo, em si, dentre outras variáveis que influenciam na pilotagem.

"Além disso, para evitar acidentes com a rede da Copel, é possível inserir uma barreira virtual no programa que é utilizado para controlar o drone. Isso nada mais é do que desenhar o mapa, a área de voo, no programa e definir um espaço que ele não deve ultrapassar – no caso, o local onde está a rede", acrescenta. Com esse recurso, o drone pode manter uma distância de segurança da rede e não corre o risco de chocar-se com ela. Essa precaução também facilita voos noturnos, em que a visibilidade é reduzida.

Marzarotto lembra ainda que a operação de drones é uma atividade especializada, que exige conhecimento e capacitação. "Para realizar um voo com segurança e eficiência é necessário treinamento e prática. Com a simplificação das regras de voo para drones pulverizadores, os pilotos precisam estar preparados. Para isso, é necessário conhecer a legislação, as regras básicas de voos e praticar muito", reforça.

Asimp/Copel

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.