Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O momento da entrega do título de Cidadão Benemérito do Paraná ao agropecuarista Oezir Marcello Kantor, que aconteceu na noite de ontem (13), na Assembleia Legislativa do Paraná, foi de celebração do importante papel desempenhado pelo homenageado no desenvolvimento social e na promoção da agricultura e pecuária do Paraná. Os deputados Alexandre Curi, primeiro-secretário, e Luiz Claudio Romanelli, ambos do PSD, autores da lei que concedeu o título, destacaram que a honraria reverenciava o compromisso e as contribuições de Kantor para com o estado, refletido em um trabalho árduo e em sua dedicação à comunidade.

Segundo Romanelli, “a trajetória do homenageado é um testemunho do que é possível alcançar quando se tem paixão e comprometimento com aquilo que se faz”. Em seu pronunciamento, durante a cerimônia que lotou e emocionou o Plenário, o deputado discorreu sobre a trajetória de Kantor e afirmou que a honraria é um testemunho do impacto positivo que indivíduos como o agropecuarista têm em suas áreas de atuação. “Ao longo da sua vida, Kantor certamente inspirou e impactou positivamente a vida de muitas pessoas e, prestes a completar 90 anos, segue demonstrando a sua capacidade de inovar, tomar decisões estratégicas e liderar equipes. Portanto, é justo que o Estado expresse gratidão e reconhecimento a Oezir Marcello Kantor com a concessão deste título de Cidadão Benemérito. Que seu legado empresarial e de líder da sociedade seja lembrado e inspire as gerações futuras”, enfatizou. Observou ainda que o homenageado, natural de São Mateus do Sul, mudou para Londrina ainda jovem, virando “um típico pé vermelho!”

O deputado Alexandre Curi (PSD), que integra a comitiva do governador Carlos Massa Ratinho Júnior e cumpre agenda internacional, fez também questão de enaltecer as contribuições do homenageado para o Paraná, a quem considera um exemplo e uma inspiração para os jovens. “É com muita alegria que a Assembleia concede hoje o título de Cidadão Benemérito a uma das figuras mais ilustres do nosso estado, a esse grande paranaense”, afirmou numa mensagem em vídeo, exibida durante a sessão especial. Conforme o primeiro-secretário, Kantor é um paranaense que contribuiu muito para o desenvolvimento do Paraná e ainda vai continuar colaborando muito com o crescimento de sua região: “Ele começou a trabalhar muito jovem e aos 21 anos era vereador da nossa querida cidade de São Mateus do Sul. E, hoje já recebeu mais de oitenta homenagens ao longo da sua vida”, observou. “A Assembleia hoje presta essa justa e merecida homenagem”, acrescentou, ao cumprimentar familiares e amigos.

 “É uma justa homenagem”, assegurou o deputado Tiago Amaral (PSD), presidente da solenidade. Para ele, que é da região de Londrina, a sessão especial representava uma grande honra, era um momento emocionante, especialmente para “os pés-vermelhos”, como são chamados informalmente os moradores dessa região. “Ele é tão pé vermelho, que completa 90 anos no mesmo ano que a cidade de Londrina celebra seu aniversário de 90 anos”, complementou. “É uma grande e louvável iniciativa”, disse o deputado federal Beto Richa (PSDB), que participou da cerimônia ao lado da ex-primeira dama Fernanda Richa. Como governador, Richa sancionou o projeto, em 2017, concedendo o título ao agropecuarista. “Kantor tem todas as qualidade e virtudes para receber essa honraria”, acrescentou. Na opinião dele, a homenagem se faz mais que necessária a esse homem que contribuiu de maneira significativa para o crescimento do estado.

Deixando transparecer simplicidade e emoção, o agropecuarista Oezir Marcello Kantor, que completa 90 anos em julho, recordou o início de sua trajetória, ao agradecer a homenagem. Empresário e produtor agrícola da região de Londrina, hoje é conselheiro da Sociedade Rural do Paraná, uma das mais relevantes instituições de classe do país, que, há mais de 70 anos vem liderando ações em defesa do agronegócio brasileiro e do produtor rural. “Estou muito honrado. São 90 anos de experiência de vida”, resumiu. Questionado sobre qual mensagem gostaria de deixar aos jovens declarou: “É importante termos sempre uma administração honesta e muito eficiente”. A única filha, Silvana Kantor, contou que o pai está sempre atento a tudo o que acontece, conhece todo mundo, e busca sempre a conciliação: “Ele trata todos da mesma forma, sem distinção, recebe todos, conhece de A a Z e sempre defende a conciliação”. “É um marco extraordinário receber esse título”, afirmou Fernanda Kantor, neta que usou a tribuna para falar em nome da família. Segundo ela, o avô sempre foi fonte de inspiração para todos, familiares e amigos. “Ele é a personificação do espírito paranaense”, frisou.

Fazendo a diferença

O paranaense Oezir Marcello Kantor nasceu em São Mateus do Sul, em 26 de julho de 1934. É filho de Guilherme Kantor e Emília Biancolini Kantor. Aos 20 anos, em 1954, já estava formado na Faculdade de Comércio do Paraná, em Curitiba. Aos 21 anos foi eleito vereador em sua cidade natal. Cursou ainda Economia e Desenvolvimento, na Universidade Federal do Paraná. Mudou-se para Londrina em 1958 e logo depois casou com Márcia Prado Kantor, já falecida, com quem teve uma filha. É avó de três netos e bisavó, tem seis bisnetos. Foi empresário no ramo da madeira, em São Mateus do Sul; suplente de delegado, em Londrina; e também empreendeu no ramo de automóveis. Hoje, possui propriedade agrícolas onde desenvolve atividades voltadas à agricultura, pecuária e reflorestamento. Tem atuação relevante na sociedade, liderando expressivas ações de filantropia, e participando ativamente de entidades sociais que trabalham em prol da comunidade.

Já recebeu inúmeras homenagens, em reconhecimento aos serviços prestados à sociedade, especialmente na região Norte paranaense, contribuindo com a consolidação da cidadania. Um exemplo é a Ordem do Mérito Militar, a maior distinção honorífica dada pelo Exército Brasileiro, concedida há poucos civis em tempo de paz, que recebeu em 2010. Para obter a honraria é preciso ter em primeiro lugar o reconhecimento de Amigo do Batalhão, depois de ser colaborar Emérito do Batalhão, receber ainda a Medalha de Pacificador e só então é possível receber a Ordem do Mérito, etapas todos cumpridas por Kantor, que sempre colaborou com o Exército Brasileiro. Também foi agraciado com o título de Cidadão Honorário da cidade de Apucarana pelos serviços prestados à comunidade local, Lei nº 52/2012. É ainda Cidadão Honorário de Londrina, homenagem aprovada por unanimidade pela Câmara de Vereadores da Cidade. Em 2013, durante a Exposição Feira Agropecuária Internacional de Londrina recebeu diploma de “Voto de Louvor e Congratulações” da Assembleia legislativa, uma iniciativa do deputado Ney Leprevost (União).

Reconhecimento

Participaram da solenidade a deputada Cloara Pinheiro (PSD); os deputados Evandro Araújo (PSD) e Tercilio Turini (MDB); o ex-governador Orlando Pessuti, secretário do Codesul; o deputado federal Rodrigo Estacho (PSD); o tenente-coronel Marcos Antonio Tordoro, chefe da Casa Militar do Paraná, representando o governador em exercício Darci Piana; prefeitos; vereadores; lideranças; amigos e familiares. Durante a cerimônia, aconteceu ainda uma breve apresentação da cantora Rafa Gomes e houve a participação da Banda da Polícia Militar do Paraná.

O projeto que concedeu o título de Cidadão Benemérito, entregue ao agropecuarista Oezir Marcello Kantor, depois de aprovado pela Assembleia por unanimidade, foi transformado na Lei n.º 18.977, de 05 de abril de 2017, ao ser sancionado pelo Governo do Estado. O diploma é a mais alta honraria que o Poder Legislativo concede aos cidadãos paranaenses que se destacam pelos relevantes serviços prestados no estado. Além do título de Cidadania Benemérita, o Poder Legislativo também faz o reconhecimento público do trabalho de personalidades com a concessão do título de Cidadão Honorário. O título de Cidadão Benemérito é oferecido às personalidades nascidas no estado onde a homenagem será conferida, no nosso caso, aqui no Paraná. Já as pessoas que nascem em outro estado brasileiro se tornam Cidadãos Honorários. Para uma proposta ser aprovada é necessário atender a uma série de critérios estabelecidos através da Lei Estadual 13.115, de 15 de fevereiro de 2001.

ALEP

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.