Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O governo do estado propôs o aumento de recursos repassados aos hospitais do Paraná e o projeto de lei foi enviado à Assembleia Legislativa na segunda-feira, 21 de novembro. A medida é uma consequência da articulação do deputado Tiago Amaral, presidente da Amepar, Sergio Onofre, e prefeitos que vem acompanhando de perto os problemas gerados pela falta de recursos dos hospitais.

O deputado, junto ao Comitê de Crise da Saúde da região, prefeitos e outras autoridades, participou de diversos encontros para achar soluções e articulou uma reunião decisiva na SESA, em Curitiba. Na ocasião, foram apresentados dados mostrando a situação da Santa Casa de Londrina, Hospital Evangélico e do HU/UEL, com o levantamento do déficit e das consequências da superlotação e da falta de estrutura, que acaba sobrecarregando outros hospitais da região quando estes não conseguem dar conta da demanda. Um problema que atinge a maioria dos hospitais.

Agora, o governo pretende aumentar os recursos destinados aos hospitais contratualizados do Estado para serviços que vão desde o atendimento ambulatorial, consultas especializadas e de alta complexidade até a realização de cirurgias eletivas.

Defasagem

Os custos dos serviços hospitalares têm variações superiores às da inflação oficial e não há correção atualizada dos valores dos repasse do Ministério da Saúde às unidades.

Atualmente, além dos valores pagos pelas tabelas do SUS, o Estado também realiza repasses financeiros para as unidades próprias e envio de recursos para hospitais filantrópicos por meio de programas de incentivo, como o Programa de Apoio e Qualificação de Hospitais Públicos e Filantrópicos do SUS Paraná (Hospsus).

A proposta

Esta é a primeira vez que o Estado prevê complementações nos valores pagos às unidades hospitalares. O auxílio financeiro vai contemplar os hospitais que participam de forma complementar SUS ainda durante 2022. Cálculos da SESA mostram que o déficit financeiro dessas unidades é de cerca de R$ 220 milhões.

O projeto propõe que os recursos sejam destinados para compra de medicamentos, suprimentos, insumos, equipamentos, pequenas reformas e adaptações na estrutura física para aumento da oferta de atendimentos e realização de cirurgias eletivas, contratação e pagamento de profissionais e para gastos como enfrentamento da Covid-19. O critério de divisão dos valores será definido pelo Estado, levando em conta a entrega de serviço de cada prestador.

Outra vitória do setor

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná já havia autorizado o HU/UEL a fazer a ratificação do edital de contratação de anestesistas, com salários compatíveis com os oferecidos no mercado. A convocação anterior oferecia valores defasados para a remuneração destes médicos especialistas e não atraia interessados. O hospital vinha enfrentando problemas pela falta destes profissionais para a realização de cirurgias e outros procedimentos. A solução veio depois da mobilização do Comitê de Crise da Saúde de Londrina e Região, além da superintendente Vivian Feijó.

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.