Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Um marco na história da Assembleia Legislativa do Paraná e na luta contra a desigualdade. Foi instalada, ontem (1º), a primeira Comissão de Igualdade Racial no parlamento paranaense. A formalização coincidiu ainda com o Dia Mundial de Zero Discriminação.

“Indescritivelmente feliz”, comemorou o presidente eleito da Comissão, deputado Renato Freitas (PT). “Agora vamos poder falar sobre nós, sem porta-voz”, completou.

Ele definiu a criação da nova comissão como uma conquista inédita. “Não só para mim, nem para a população negra paranaense, mas para a população negra brasileira. É inaugural, pois não há em nenhuma Assembleia Legislativa dos estados uma comissão para tratar deste tema tão importante, que é centro das desigualdades brasileiras”, afirmou.

Dos 54 deputados estaduais que formam a Assembleia, apenas três se autodeclaram negros. Todos integram a comissão. Além de Freitas, Do Carmo (União), que será o vice-presidente, e Soldado Adriano José (PP), completam o colegiado os deputados Luiz Claudio Romanelli (PSD), Cloara Pinheiro (PSD), Delegado Jacovós (PL) e Samuel Dantas (Pros).

Além das 26 já existentes, a nova comissão foi criada por um projeto de resolução da Comissão Executiva autorizando ainda a instalação das comissões de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa e a de Minas, Energia e Água.

“O grande desafio é que esta comissão funcione, e não seja apenas um apêndice, uma gaveta para nos calar. Nós queremos que essa comissão incomode quem está acomodado no poder”, disse.

Um dos passos iniciais de trabalho será a realização de um levantamento sobre a quantidade de pessoas negras, indígenas e ciganas que ocupam cargos na administração pública paranaense. De acordo com Renato Freitas, a representação desses grupos não é vista nos espaços de poder.

Luta

Pessoalmente, Renato Freitas considera o trabalho na nova comissão como o início de uma nova etapa. “Compreendo que agora foi encerrado o ciclo do racismo e da perseguição desde aquela manifestação que foi distorcida e fui cassado. Houve uma repercussão nacional e a população me absolveu. Essa luta me trouxe até aqui”, comentou.

Vereador em Curitiba, Freitas enfrentou um processo de cassação do mandato por um ato contra o racismo em uma igreja católica da capital em fevereiro de 2022. O Supremo Tribunal Federal (STF) restabeleceu o mandato, anulou o ato que decretou a cassação na Câmara e ele acabou eleito para a Assembleia.

ALEP

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.