Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O recorde anterior tinha sido em 2016 (6,409%). Em 2019 esse indicador ficou em 6,312%. Os dados são do Sistema de Contas Regionais (SCR) e foram divulgados nesta quarta pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com os R$ 487,93 bilhões produzidos no Paraná em 2020, o Estado alcançou a maior participação na formação do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil na sua história: 6,412%. Foram produzidos R$ 487.930.593.783 no Estado de um total de R$ 7.609.597.000.001 da soma de todos os demais e do Distrito Federal. O recorde anterior tinha sido em 2016 (6,409%). Em 2019 esse indicador ficou em 6,312%. 

Os dados são do Sistema de Contas Regionais (SCR) e foram divulgados na quarta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Eles mostram que o crescimento de 0,1 ponto percentual no Paraná e o recuo de 0,3 p.p. no Rio Grande do Sul foram determinantes para o Estado alcançar o patamar de quarta maior economia do Brasil.

A maior participação do PIB continua sendo de São Paulo, com 31,2%, seguido de Rio de Janeiro (9,9%) e Minas Gerais (9%). Os outros estados do Sul aparecem com 6,2% (Rio Grande do Sul) e 4,6% (Santa Catarina). Amapá, Acre e Roraima, na outra ponta, têm 0,2% do PIB (cada).

A participação nacional da região Sul se manteve em 17,2%, fruto do aumento relativo no Paraná e em Santa Catarina. No Paraná, a maior influência positiva veio da agricultura, e em Santa Catarina do comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas.

Em termos de participação, houve aumento de 0,6 p.p. na região Norte e de 0,5 p.p. no Centro-Oeste. No Sudeste ocorreu redução de 1,1 p.p., enquanto o Nordeste também manteve a sua participação.

Série Histórica

Num recorte dos últimos vinte anos no Paraná (confira aqui ), a presença do Estado na economia nacional saltou de 5,927% em 2002 para 6,412% em 2022. Naquele começo de século, o PIB nacional era de R$ 1.488.787.276.030, enquanto o estadual era de R$ 88.235.714.979. O Paraná era a quinta maior economia do País. 

Ao longo daquela década houve oscilações na série história: 6,405% em 2003, 6,306% em 2004, 5,872% em 2005, 5,713% em 2006, 6,073% em 2007, 5,971% em 2008 e 5,796% em 2010, abaixo do patamar proporcional de 2002.

No começo da nova década houve um retorno do crescimento: 5,875% em 2011, 5,932% em 2012, 6,255% em 2013 (ano que o Estado alcançou a quarta maior economia), 6,023% em 2014, 6,287% em 2015, 6,409 em 2016, 6,400% em 2017, 6,282% em 2018 e 6,312% em 2019.

Mudanças No Ranking

Em 2020, o PIB do Brasil atingiu R$ 7,6 trilhões, recuando 3,3% em volume. Houve quedas no PIB em 24 dos 27 estados. Oito unidades da Federação trocaram de posição no ranking de participação no PIB entre 2019 e 2020. Ao longo da série histórica, iniciada em 2002, apenas em 2014 e 2016 o número de movimentações de posições foi maior. 

O Paraná avançou da quinta para a quarta posição pela segunda vez na história devido ao seu ganho relativo na agropecuária nacional, enquanto no Rio Grande do Sul a perda de posição refletiu sua redução em volume e em participação na mesma atividade. 

O Pará, devido ao ganho relativo atrelado às indústrias extrativas, avançou, da 11ª para a 10ª posição, ocupando em 2020 a colocação que até o ano anterior era de Pernambuco. Mato Grosso, que também se destacou em 2020 pelo desempenho da agropecuária, avançou para a 12ª posição, ultrapassando o Ceará, que caiu para a 13ª posição. Mato Grosso do Sul subiu uma posição, para a 15ª, enquanto o Amazonas caiu para a 16ª, pois o primeiro elevou sua participação no PIB, de 1,4% para 1,6%, enquanto o segundo manteve-se com 1,5%, entre 2019 e 2020.

Confira o estudo completo do IBGE AQUI e AQUI.

AEN

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.