Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Famílias atingidas pelas inundações, especialmente no bairro San Rafael, em Ciudad del Este, não devem voltar para casa até situação se normalizar

As chuvas na região da fronteira do Brasil com o Paraguai e a Argentina e na bacia do Rio Iguaçu, no Paraná, devem permanecer durante toda a semana, com uma leve trégua na quarta-feira (1º). Se esse cenário for confirmado, a Comissão Especial de Cheias (CEC) da Itaipu Binacional pede que as famílias atingidas pelas inundações, especialmente do bairro paraguaio San Rafael, em Ciudad del Este, não voltem para casa até a situação se normalizar. Não há prejuízos para a operação da usina.

A CEC está mobilizada desde sábado (28) para acompanhar o aumento do volume dos Rios Iguaçu e Paraná. Na região da Ponte da Amizade, o Rio Paraná chegou a subir quase 16 metros em relação à média histórica. A cheia no local é consequência represamento causado pelo Rio Iguaçu, que recebeu chuvas intensas desde o último sábado.

Várias frentes de ajuda foram adotadas por voluntários da Itaipu. Sob a coordenação da Assessoria de Responsabilidade Social da margem direita (paraguaia), fizeram o deslocamento das pessoas atingidas para áreas seguras, em parceria com os governos locais. Cerca de 120 famílias foram atingidas no lado paraguaio do Rio Paraná.

No lado brasileiro, foram afetadas as estruturas do porto de areia do bairro Porto Meira e do Iate Clube Cataratas. Uma família que vive ao lado do antigo Espaço das Américas, no bairro Porto Meira, foi removida do local. Ribeirinhos(as) estão sendo orientados sobre a situação.

Para mitigar os efeitos da elevação do Rio Iguaçu, Itaipu vem fazendo o possível para reter a maior quantidade de água que chega ao seu reservatório, que opera hoje na cota 218,99 metros acima do nível do mar. Por isso, acompanha e aguarda o recuo do pico da cheia do Rio Iguaçu para verter, o que pode acontecer a partir desta quarta-feira (1º).

Os níveis do Rio Paraná e a vazão no Rio Iguaçu são continuamente monitorados e avaliados pela Divisão de Estudos Hidrológicos e Energéticos da Itaipu, do Departamento de Operação o Sistema, agora também discutidos na reunião diária da Comissão de Cheias, formada por profissionais, brasileiros e paraguaios, de diferentes áreas da empresa. A binacional emite boletins hidrológicos diários, que são repassados aos órgãos de Defesa Civil do Brasil e do Paraguai e podem ser consultados no link: https://www.itaipu.gov.br/sites/default/files/HIDROLOGIAPY/BH.pdf

A Comissão de Cheias vai continuar acompanhando e repassando novas informações para que a sociedade seja conscientizada sobre as ações a serem adotadas.

Chuvas intensas

A intensidade das chuvas e a magnitude de sua área de extensão, por quase toda a bacia do Rio Iguaçu, são consideradas atípicas pelos técnicos da Itaipu, que acompanham a precipitação das bacias relacionadas à usina.

Nos últimos três dias, algumas estações de medição, instaladas no rio Iguaçu, monitoradas por Itaipu registraram valores de precipitação que superaram os 280 milímetros. O volume médio para todo mês de outubro na região é de 210 milímetros. Para esta segunda-feira (30), a previsão é que chova entre 60 a 80 milímetros. O novo pico de chuva deve acontecer entre quinta-feira (2) e sexta-feira (3), elevando novamente o nível dos rios.

Nas Cataratas do Iguaçu, o volume de água ultrapassou 21 mil metros cúbicos de água por segundo, às 14h40. O montante representa 14 vezes a vazão média registrada no atrativo.

Asimp/Itaipu

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.