Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Assembleia Legislativa do Paraná compôs a Comissão de Orçamento para a 20ª Legislatura, que ficou estruturada com o deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSD), presidente e o deputado Delegado Jacovós (PL) como vice-presidente. Também integram o grupo de trabalho os deputados Anibelli Neto (MDB); Arilson Maroldi Chiorato (PT); Fábio Oliveira (Podemos) e Luiz Fernando Guerra (União Brasil). Já a relatoria ficará com o deputado Evandro Araújo (PSD).

Como suplentes foram definidos os nomes dos deputados Adão Litro (PSD), Gilson de Souza (PL), Marcia Huçulak (PSD), Batatinha (MDB), Professor Lemos (PT), Douglas Fabrício (Cidadania) e Flávia Francischini (União Brasil).

O deputado Luiz Claudio Romanelli, que também assume a liderança da bancada do PSD na Casa, explicou como deverá atuar e falou sobre as expectativas de se fazer o novo Plano Plurianual (PPA), que será elaborado no período da sua gestão à frente do Orçamento.

“A Comissão de Orçamento é importante porque ela trata de todos os temas que envolvem a gestão do dinheiro público, e é justamente no orçamento que nós materializamos aquilo que é a expectativa da sociedade paranaense. Eu pretendo, junto com os demais membros, lembrando que neste ano nós temos a discussão do PPA, é ampliar este debate, inclusive fazendo audiências públicas pelo interior do estado, fazendo com que o orçamento do estado tenha uma participação expressiva da sociedade civil organizada, para que as expectativas possam ser realizadas”, disse. 

Romanelli falou ainda sobre as despesas correntes e os investimentos do Estado, que precisam ter transparência. “É de fundamental importância um amplo debate com os paranaenses para iluminar as ações do governo e que qualifique a discussão dentro do processo legislativo sobre os temas que envolvam o debate sobre o bom uso dos recursos públicos”, ressaltou.

Sobre como acontecerão as audiências públicas o presidente da comissão de Orçamento explicou que “não dá para simplificar o debate, porque é um debate essencialmente técnico, mas com um viés que você se vai ter clareza do que é prioridade de investimento, e a sociedade paranaense ela exige muito isso”.

Carga Tributária

Ao falar sobre a desoneração da carga tributária, Romanelli apontou que o Paraná teve uma perda estimada de receita de R$ 6,8 bilhões com a redução do ICMS, especialmente no setor e energia. “Desonerou de fato o consumidor, mas onerou em muito e trouxe um problema grave para o Estado enfrentar. No Paraná, a situação só não é mais complexa, porque nós temos uma receita muito boa, uma poupança de mais de R$ 12 bilhões que garante uma situação financeira razoável, mas do ponto de vista econômico a gente vai ter que aprofundar o debate de como encontrar soluções. Como poderemos construir de fato, uma solução que modernize estas relações e ao mesmo tempo faça com que nós possamos ter a efetividade das políticas públicas que são tão demandadas nos 399 municípios do estado”, explicou o parlamentar.

PPA

Por fim, ao ser questionado sobre o desafio de elaborar um novo Plano Plurianual (PPA), que será na sua gestão à frente da Comissão de Orçamento, Romanelli disse que está trabalhando em conjunto com o secretário de Planejamento, Guto Silva, para que a Comissão trabalhe em conjunto com a pasta para que “nós possamos de fato debater o PPA para iluminar, tanto a elaboração das diretrizes orçamentárias, como a Lei Orçamentária Anual (LOA) dos próximos 4 anos ligando o Plano de Governo com o PPA, a LOA (Lei de Orçamento Anual) e a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias)”.

No modelo brasileiro, o orçamento público compreende a elaboração e execução de três leis, a saber: o Plano Plurianual (PPA), as Diretrizes Orçamentárias (LDO) e o Orçamento Anual (LOA), que em conjunto, materializam o planejamento e a execução das políticas públicas. Neste ano, devem ser analisadas pela Comissão de Orçamento e, posteriormente, votados em Plenário a LDO, a LOA e o PPA.

Comissão

A importância da Comissão de Orçamento na Assembleia Legislativa é relevante porque o orçamento público é o instrumento utilizado pelo Governo para planejar a utilização do dinheiro arrecadado com os tributos (impostos, taxas, contribuições de melhoria, entre outros). Esse planejamento é essencial para oferecer serviços públicos adequados, além de especificar gastos e investimentos prioritários.

Essa ferramenta estima tanto as receitas que o Governo espera arrecadar quanto fixa as despesas a serem efetuadas com o dinheiro. Assim, as receitas são estimadas porque os tributos arrecadados (e outras fontes) podem sofrer variações ano a ano, enquanto as despesas são fixadas para garantir que o governo não gaste mais do que arrecada.

Uma vez que o orçamento detalha as despesas, pode-se acompanhar as prioridades do governo para cada ano, como, por exemplo: o investimento na construção de escolas, a verba para transporte e o gasto com a saúde. Um acompanhamento que contribui para fiscalizar o uso do dinheiro público e a melhoria da gestão pública, realizado de forma próxima pela Comissão de Orçamento do legislativo.

ALEP

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.