Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Grupo de trabalho se reúne amanhã, dia 20 para início das atividades deste ano para a consolidação das leis voltadas às mulheres.

O objetivo é agrupar o conjunto de normas vigentes que interferem na vida das mulheres, de modo a facilitar o acesso por toda população, organizando as leis pela sua pertinência temática, promovendo ainda, se possível e necessário, uma revisão dos dispositivos que serão consolidados.

A primeira agenda, este ano, da Comissão Especial que vai analisar o projeto de lei que cria o Código de Defesa da Mulher Paranaense já está marcada: 20 de fevereiro. O PL 625/2023 foi apresentado pela Bancada Feminina da Casa e consolida a legislação voltada às mulheres. São 62 leis, instituídas no estado entre 1990 e 2023, que tratam sobre diversos assuntos com impacto na vida das paranaenses.

As atividades começaram ainda em 2023 e o grupo de trabalho foi oficializado pelo ato 1/2024, assinado pelo presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano (PDS). O objetivo é agrupar o conjunto de normas vigentes que interferem na vida das mulheres, de modo a facilitar o acesso por toda população, organizando as leis pela sua pertinência temática, promovendo ainda, se possível e necessário, uma revisão dos dispositivos que serão consolidados.

A Comissão Especial será presidida pela deputada Márcia Huçulak (PSD). Ela explica que a consolidação ajuda a dar mais transparência e facilita o acesso às leis vigentes no estado. “Dessa forma, trabalhamos numa linha fundamental, que é a de fazer com que as leis tenham impacto na vida das pessoas”, afirmou.

Já a relatoria ficará a cargo da presidente da Bancada Feminina da Assembleia, deputada Mabel Canto (PSDB). “Servirá ainda como base para elaboração de novas normas e como fonte de consulta e apoio para parlamentares quando houver necessidade de promovermos inovações e atualizações legislativas”, disse a parlamentar.

O deputado Luiz Fernando Guerra (União), único homem a integrar a Comissão como titular, é representante dos demais deputados e defensor de políticas que protegem as mulheres. É ele, inclusive, autor da Lei que inseriu no calendário oficial do Estado a Semana Agosto Lilás, dedicada às ações de prevenção, conscientização e enfrentamento à violência contra a mulher, criada com o objetivo de diminuir os casos de violência doméstica.

“Vamos lutar pela igualdade e criar e ajustar políticas públicas que estejam de acordo com a realidade e necessidade nas mulheres do Estado do Paraná de forma simplificada, desburocratizada e que facilite o acesso de toda a população. Temas relacionados à segurança, saúde, proteção, empreendedorismo e moradia são prioridade, mas todos os outros podem e devem ser abordados”, destacou Guerra.

Nos termos das indicações dos líderes, completam a Comissão Especial como titulares as deputadas Luciana Rafagnin (PT) e Cantora Mara Lima (REP). Os suplentes são as deputadas Ana Júlia (PT) e Cristina Silvestri (PSDB) e os deputados Do Carmo (União) e Marcio Pacheco (REP).

Código

Na primeira etapa da consolidação, buscou-se indexar a legislação vigente encontrada nos bancos de dados da Casa Civil do Governo e da Assembleia e agrupá-las no projeto de lei 625/2023. Segundo a justificativa, evitou-se invadir no conteúdo e alcance das redações, por respeito aos autores, mas durante o processo de consolidação estão previstas e revisão e adequação de alguns itens. As legislações estão separadas em capítulos e tratam dos mais variados temas.

A lei trata ainda do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher do Paraná (CEDM/PR). O objetivo é possibilitar a participação popular e propor diretrizes de ação governamental voltadas à promoção dos direitos das mulheres e atuar no controle de políticas públicas de igualdade entre os gêneros masculino e feminino, assim como exercer a orientação normativa e consultiva sobre os direitos das mulheres no Estado do Paraná.

E aborda, também, o Fundo Estadual dos Direitos da Mulher (FEDIM/PR), vinculado à SEMIPI, tendo por finalidade a prestação de suporte financeiro no planejamento, implantação e execução de planos, programas e projetos voltados à promoção e defesa dos direitos das mulheres.

ALEP

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.