Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ao completar 68 anos na quarta, dia 26 de outubro, a Copel consolida seu posto de maior empresa paranaense executando um amplo programa de investimentos em todo o estado. Um dos principais destaques, o programa Paraná Trifásico concluiu, até o momento, a construção 9.896 quilômetros de novas redes trifaseadas em mais de 300 municípios. A meta para 2022, que é chegar aos 10 mil quilômetros – 40% do total que será construído pelo programa –, deve ser alcançada com dois meses de antecedência.

Até o final do programa a Copel vai investir R$ 2,7 bilhões para construir 25 mil quilômetros de redes trifásicas que substituem as antigas redes rurais monofásicas, modernizam a rede elétrica no campo e garantem acesso mais barato à rede para os consumidores rurais. Até agora mais de R$ 1 bilhão já foi destinado às obras (R$ 400 milhões estão sendo aplicados somente em 2022).

 “A cada etapa concluída, o Paraná Trifásico incrementa a infraestrutura energética do estado, promovendo conforto e desenvolvimento”, explica o presidente da Copel, Daniel Slaviero. Ele destaca que a iniciativa contribui para garantir segurança energética à população e aos setores produtivos. “As redes trifásicas contribuem para que o Paraná possa crescer, gerar empregos e se desenvolver cada vez mais”, acrescenta.

Obras por região

Mais de 300 municípios paranaenses já foram beneficiados pelo Paraná Trifásico. A Região Centro-Sul concentra a maior parte das redes construídas: 2.247 quilômetros entregues até agora, com destaque para os municípios de Ortigueira, que já recebeu 180 quilômetros de novas redes, Palmeira (169 km) e Reserva (147 km). Ponta Grossa, por sua vez, está com 137 km de redes.

Em seguida vem o Oeste, que já recebeu 1.726 quilômetros de novas redes. Cascavel concentra 158 km de redes, Guaraniaçu, 95 km, e Assis Chateaubriand, 76 km. Na Região Leste, foram concluídos 1.702 quilômetros de redes trifásicas. Rio Branco do Sul, com 210 km de novas redes, é o principal beneciado, seguido por Lapa (192 km) e Bocaiúva do Sul (150 km). 

No Noroeste a Copel concluiu 1.639 quilômetros de redes entregues, com destaque para Nova Cantu, com 91 km construídos, Campina da Lagoa (83 km) e Tuneiras do Oeste (74 km). No Norte a nova estrutura chega a 1.440 quilômetros: Londrina concentra 88 km, Cândido de Abreu, 84 km e Ivaiporã, 80 km. Por sua vez, a Região Sudoeste, possui 1.142 quilometros de redes do programa: Francisco Beltrão e Chopizinho receberam 80 km de redes cada um e o município de Verê, 72km.

O Programa

Toda a espinha dorsal da rede de distribuição no campo está sendo trifaseada, substituindo a tecnologia monofásica existente. Além de garantir energia de mais qualidade e com maior segurança, o programa proporciona o acesso do produtor rural à rede trifásica a um custo muito inferior ao que hoje é pago. 

Com o Paraná Trifásico, a Copel melhora a qualidade no fornecimento de energia para o campo, renova seus ativos e garante mais segurança à população. Os novos cabos com capa protetora isolante têm nível de resistência reforçada quando atingidos por galhos de árvores ou outros objetos. O programa também retira os postes antigos do meio das plantações e coloca postes novos nas estradas rurais, o que facilita o acesso dos técnicos. 

As novas linhas têm conexões inteligentes com a central de monitoramento da rede, chamados de religadores automáticos. Esses equipamentos têm capacidade para identificar problemas e “abrem temporariamente” para passagem de eventuais curtos e evitar desligamentos, e religam a energia sem precisar de interferência humana. Os equipamentos podem ser acionados remotamente pelo novo Centro de Operação da Copel em Curitiba.

Culturas que dependem da energia elétrica intensiva para a sua produção já começam a ser beneficiadas, entre elas leite e derivados, suinocultura, avicultura, piscicultura e fumo, além de atividades como os poços artesianos. O Paraná é líder nacional em algumas delas, como avicultura e piscicultura. 

Revolução no campo

O Paraná Trifásico é uma evolução do Clic Rural, iniciativa que levou energia para mais de 120 mil propriedades rurais nos anos 1980 e se tornou o principal programa de eletrificação rural da época. Passados mais de 30 anos, o perfil do consumidor rural é outro. Com o avanço dos processos tecnológicos no campo, cada vez mais mecanizados e automatizados, a preocupação com a qualidade do fornecimento de energia elétrica passou a ser prioridade, tanto para o investidor quanto para a Copel.  

Asimp/Copel

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.