Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Diretoria do Pequeno Príncipe também sugeriu que homenagem ao atleta faça parte do Calendário Oficial do Estado

Depois da aprovação unânime, pela Câmara Municipal de Curitiba, da criação do Dia do Rei Pelé, a expectativa é pela votação na Assembleia Legislativa do Paraná, prevista para hoje, dia 25. A iniciativa que motivou os deputados Alexandre Curi, Hussein Bakri e Ney Leprevost foi uma sugestão da diretoria do Complexo Pequeno Príncipe. A data escolhida também foi 19 de novembro, dia em que, em 1969, o atleta marcou seu milésimo gol e o dedicou às crianças. “Aproveito a oportunidade para pedir a todos os brasileiros que não esqueçam as crianças pobres, que não esqueçam os necessitados", disse à época.

A preocupação demonstrada por Pelé com o bem-estar das crianças se concretizou na parceria com o Pequeno Príncipe, que mantém o único projeto social formalmente apadrinhado pelo craque. O Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe, há mais de 17 anos, atua na busca de novos tratamentos e métodos de diagnóstico de doenças complexas de crianças e adolescentes. Com uma equipe altamente capacitada, que reúne 17 pesquisadores principais e 110 alunos de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado, tem oferecido contribuições importantes para salvar e melhorar a vida do público infantojuvenil por meio dos estudos científicos desenvolvidos, que já somam mais de 350 publicações em diversas linhas de pesquisa.

O diretor-corporativo do Complexo, José Álvaro da Silva Carneiro, explica que a contribuição do rei foi fundamental para o cuidado e os resultados das pesquisas, que beneficiam crianças e adolescentes em todo o Brasil, ultrapassarem fronteiras. “Fazer pesquisas no Brasil é um grande desafio, pois os recursos são escassos. O apoio do Pelé abriu muitas portas para que pudéssemos captar recursos nacionais e internacionais. Nos aproximou de esportistas, trouxe visibilidade à ciência e ao Instituto de Pesquisa e também nosso Hospital”, considera.

Além de emprestar seu nome ao Instituto, o rei promoveu iniciativas como o Programa Gols pela Vida, plataforma de mobilização de recursos e pessoas em prol da saúde infantojuvenil ao redor do mundo. Com o Projeto Medalhas, lançado em 2007, colocou no mercado 1.283 medalhas, uma para cada gol marcado pelo jogador em sua carreira. As peças foram produzidas pela Casa da Moeda do Brasil nas versões ouro, prata e bronze e comercializadas para arrecadar recursos. As três medalhas do Gol 1.000 fazem parte do acervo particular do craque e integram o Museu do Pelé, em Santos (SP).

Além campo

Fora o reconhecimento como o maior atleta do século – que entre outros feitos contribuiu para tornar o futebol o esporte mais popular do planeta –, os deputados do Paraná também destacaram a dedicação de Edson Arantes do Nascimento a causas sociais.

“O legado de Pelé transcendeu amplamente o mundo esportivo. Em 1969, uma guerra foi interrompida para que as pessoas pudessem testemunhar sua habilidade em campo. Ele serviu como embaixador de organizações como a ONU, UNESCO e UNICEF – inclusive sendo nomeado ‘Embaixador da Boa Vontade’ para a histórica ‘Cúpula da Terra da ONU’ realizada no Rio de Janeiro, conhecida como ‘Eco 92’, e apoiando esforços humanitários globais em prol da sustentabilidade do planeta”, diz o texto do projeto de lei que será votado na Assembleia.

“Cinquenta anos depois daquele gol histórico, seu compromisso continua vivo por meio do trabalho da renomada e inspiradora instituição, da qual, nós paranaenses, temos muito orgulho”, concluem Curi, Bakri e Leprevost.

Complexo

Com sede em Curitiba, o Instituto de Pesquisa Pelé Pequeno Príncipe integra o Complexo Pequeno Príncipe, do qual também fazem parte o Hospital Pequeno Príncipe e a Faculdades Pequeno Príncipe. A tríade consolida a missão da instituição, de proteger a criança e o adolescente por meio da assistência, do ensino, da pesquisa em saúde e da mobilização social, fortalecendo o núcleo familiar.

Com mais de 100 anos de cuidado hospitalar dedicado às crianças, o Pequeno Príncipe realiza cerca de 60% de seus atendimentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em 2023, o Hospital foi eleito, pelo terceiro ano consecutivo, o melhor exclusivamente pediátrico da América Latina, de acordo com um ranking elaborado pela revista norte-americana Newsweek, que ouviu milhares de profissionais e gestores da área de saúde de 30 países.

Asimp/HPP

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.