Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSD) destacou na quinta-feira, 18, a decisão do governo federal de reativação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen-PR) - adiantada pela deputada Gleisi Hoffmann (PT) - na cidade de Araucária, região metropolitana de Curitiba. "É o que tem que ser feito porque a fábrica foi fechada de forma intempestiva e errada em 2020. A produção de fertilizantes é fundamental para a agricultura, um dos principais setores da economia paranaense e vetor do crescimento do estado acima da média nacional", disse Romanelli que acompanhou as articulações pela retomada da fábrica no Paraná.

"A planta da Fafen em Araucária faz frente à redução de fertilizantes no mercado internacional, provocada notadamente pela guerra da Rússia e Ucrânia, e tranquiliza os agricultores do Paraná e do Brasil”, destaca Romanelli.

Rebatizada de Araucária Nitrogenados (Ansa), a subsidiária da Petrobras operava desde 1982, foi desativada em março de 2020 e foi colocada à venda por decisão do governo federal. O processo foi suspenso no final de 2022. “O Brasil é um dos maiores produtores e exportadores de alimentos do mundo e precisa de uma política de suporte ao agronegócio”, afirmou Romanelli.

Produção

Aproximadamente 85% dos fertilizantes usados no Brasil são comprados no mercado internacional, principalmente da Rússia, além de importar quase 75% dos fertilizantes nitrogenados para atender a demanda interna, 90% de potássio e 24% de fosfato, assim como 98% de nitrato de amônio, os dois últimos do mercado russo, um dos maiores fornecedores do insumo.

De acordo com os representantes dos trabalhadores da Fafen, a planta tem capacidade para produzir 30% da ureia e amônia usadas no País, além de 65% do Agente Redutor Líquido Automotivo (ARLA 32), que é um aditivo do diesel para reduzir emissões de gases poluentes por veículos de grande porte.

Segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP), com a reabertura da Fafen-PR, mais a conclusão das obras da Fafen-MS e a retomada das fábricas da Bahia e de Sergipe, o país vai reduzir a dependência da importação de fertilizantes nitrogenados para algo em torno de 10% a 15%.

Setor estratégico

Segundo a deputada Gleisi Hoffmann, a reabertura da fábrica é pauta do governo Lula e está no horizonte próximo. "Graças à luta dos companheiros petroleiros e petroquímicos teremos de volta investimentos, empregos e a produção de insumos fundamentais para a nossa economia diretamente no Paraná", disse Gleisi.

A reabertura da Fafen-PR faz parte do plano de retomada das subsidiárias da Petrobras no País. Nesta semana, o presidente Lula vai anunciar a ampliação da Refinaria Abreu Lima em Pernambuco. A estatal estima a criação de 30 mil empregos diretos e indiretos e a produção diária de 13 milhões de litros de Diesel S10 (de baixo teor de enxofre).

No Paraná, o Sindipetro (sindicato dos petroleiros) defende a recontratação dos mais de mil trabalhadores, diretos e indiretos, demitidos pela desativação da Fafen-PR em 2020.

ALEP

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.