Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSD) participou na terça-feira (30) da audiência pública promovida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR) que debateu o novo programa de concessões de rodovias do Paraná. Ele reafirmou que o processo ainda carece de esclarecimentos, mesmo com a publicação do edital para licitação do Lote 1.

Romanelli alertou a OAB-PR sobre alguns aspectos do contrato que pode haver prejuízo à sociedade paranaense e aos usuários das rodovias no futuro. “Não imaginava que poderia haver um contrato pior que o anterior. A minuta que foi apresentada está cheia de mecanismos que beneficiam as concessionárias em detrimento dos usuários”.

Além deste aspecto, o deputado sustentou que o processo de concessão não traz uma garantia real da execução das obras. “A garantia das obras é o ponto mais vulnerável do novo pedágio. Estamos repetindo os erros do passado”, disse ele ao explicar que as concessionárias é que vão escolher o tipo de garantia.

Na avaliação de Romanelli, as empresas deverão optar pelo seguro-garantia. “É um tipo de garantia frágil. Ninguém consegue executar um seguro garantia. Nós defendemos uma caução em dinheiro ou títulos do tesouro equivalente a 15% do volume de investimentos previstos por lote. Isso significa fazer um depósito de aproximadamente R$ 1 bilhão antes da assinatura dos contratos. Além de assegurar a realização das obras, afastaria aventureiros do leilão”, pontuou.

Legislação

Romanelli também pediu atenção da sociedade civil em relação às leis que regem a licitação. Ele observou que a legislação principal do edital é a Lei Geral das Concessões, conforme os parlamentares paranaenses haviam defendido em parecer jurídico. Contudo, a Lei de Licitações também será utilizada subsidiariamente, e é esta norma que abre a possibilidade de o proponente oferecer a garantia que achar mais conveniente para o próprio negócio.

Outro aspecto criticado pelo deputado Romanelli foi a segregação de lotes para realização do leilão das rodovias. Na avaliação dele, “os lotes 1 e 2 são o filé mignon” do programa de concessão e o lote 3 também é muito bom. “Os lotes 4, 5 e 6 são mais problemáticos do ponto de vista das obras e das tarifas”, considerou. “Podemos ter tarifas muito parecidas com os preços dos antigos pedágios”.

ALEP

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.