Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A implementação do Pedagiômetro e a criação do Conselho de Usuários em cada um dos seis lotes das futuras concessões de rodovias no Paraná são fundamentais para evitar a falta de transparência, de fiscalização e de controle social na cobrança de pedágio. É a opinião do deputado estadual Tercilio Turini, que está pedindo ao Governo do Estado para garantir que essas duas medidas sejam obrigações contratuais das novas concessionárias, com aplicação imediata para a população ter a transparência necessária nos números sobre receitas, despesas e investimentos.

"As concessões que terminaram em novembro de 2021 deixaram um legado de muita indignação entre os paranaenses que pagaram tarifas caríssimas e não tiveram a contrapartida de todas as obras contratadas, além de acompanharem denúncias de corrupção, prisões de empreiteiros e agentes públicos, confissões de crimes e tantas outras barbaridades que transformaram o pedágio no maior escândalo dos últimos anos no nosso estado. Tudo isso aconteceu porque os contratos eram favoráveis demais às concessionárias e não garantiram à sociedade qualquer mecanismo de acesso aos dados de arrecadação e investimentos", argumenta Turini em requerimento aprovado na Assembleia com assinatura também da deputada Cristina Silvestri e dos deputados Alexandre Amaro, Cobra Repórter, Arilson Chiorato e Professor Lemos.

Os parlamentares alertam que numa modelagem de contratos com duração de 30 anos e possibilidade de renovação, é preciso ter precaução para evitar erros e o Paraná não correr o risco de passar por mais três décadas de exploração, descontentamento da população e suspeitas em relação à receita do pedágio. "Vemos o importante e necessário debate sobre preços das tarifas, cobrança de aportes das futuras concorrentes nas licitações dos contratos, definição sobre obras e outras questões. Não podemos, porém, perder a oportunidade de exigir instrumentos que garantam acesso livre e permanente aos dados, fiscalização rigorosa e acompanhamento direto da sociedade nos números de faturamento com tarifas, aplicações de recursos em obras e serviços, lucros e outras informações de interesse público", ressalta Tercilio Turini.

O documento encaminhado à Casa Civil, Secretaria de Infraestrutura e Logística e Agepar aponta que o Pedagiômetro está criado desde 2016 por lei estadual, mas até agora não foi implementado. A ideia é instalar um dispositivo em cada uma das praças de pedágio no Paraná, informando em tempo real quantos veículos passam pelas cancelas e quanto as concessionárias arrecadam com as tarifas. "Os números vão assegurar mais clareza sobre os contratos que envolverão cifras bilionárias, de longa duração e que trarão enorme impacto para o desenvolvimento socioeconômico do Paraná nos próximos 30 anos", diz o deputado. Por outro lado, o Conselho de Usuários também amplia o poder de fiscalização e de decisão em cada lote.

Tercilio Turini afirma que outros instrumentos também podem constar das obrigações das concessionárias, contribuindo para o poder público, o setor produtivo e toda a população acompanharem a evolução de receitas, despesas e investimentos. "Todos os mecanismos de controle e publicização das informações sobre o pedágio são de grande importância para não convivermos mais com a suspeita diária de a população estar sendo lesada - como aconteceu nos 24 anos de concessões anteriores. Se não forem tomadas as precauções agora, nosso estado corre o perigo de enfrentar novamente as dificuldades já vivenciadas", enfatiza o deputado.

Ricardo da Guia Rosa/Asimp

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.