Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Os deputados Luiz Cláudio Romanelli (PSD) e Tercílio Turini (PSD) assinam um requerimento protocolado na quarta-feira, 17, na ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) em que pedem explicações do órgão sobre a paralisação da linha férrea de 217 quilômetros entre Londrina e Ourinhos (SP), operada pela Rumo Logística.

"A concessionária (Rumo) alega que a falta de demanda comercial motivou a decisão, o que é um absurdo e um verdadeiro retrocesso", avalia Romanelli. Os deputados também estão enviando ofícios à direção da Rumo, ao Ministério dos Transportes e ao Tribunal de Contas da União (TCU) questionando a suspensão da operação.

A ferrovia São Paulo-Paraná, afirma Romanelli, tem quase um século de história, um canal de transporte de cargas como combustíveis, fertilizantes e grãos dos mais diversos tipos. "A decisão é absurda pois o transporte ferroviário é o segundo modal mais barato do mundo. É viável financeiramente e o menos poluente. Além disso, a paralisação do trem carece de visão estratégica em relação à economia verde, a que mais cresce no mundo", disse.

"Na Assembleia Legislativa não vamos ficar de braços cruzados. Vamos acionar a Agência Nacional de Transportes Terrestres e tomar outras medidas para reverter a decisão. Foi muito triste poder assistir o povo procopense ver ontem em Cornélio pela última vez o trem passar. Isso faz parte do processo civilizatório da nossa região. Nós não vamos aceitar. A Rumo tem um contrato e ela tem que cumprir", completou.

O ramal entre Londrina e Ourinhos, afirma Romanelli, tem uma participação direta no desenvolvimento do Norte Pioneiro. "Cornélio Procópio desenvolveu-se às margens do km 125 da ferrovia. A estação na cidade foi fundada em 1930. Antes de ser chamado de Cornélio Procópio, a vila era conhecida como KM 125", disse.

Mobilização

O deputado Tercilio Turini considera um absurdo a decisão da empresa Rumo de desativar o ramal ferroviário entre Londrina e Ourinhos (SP) e suspender o transporte de cargas na Ferrovia São Paulo-Paraná. "É uma medida que vai na contramão de todo esforço para fortalecer o desenvolvimento do Norte e Norte Pioneiro. Estamos num momento em que os municípios batalham por mais infraestrutura e logística para atração de investimentos, indústrias e novos empreendimentos. Precisamos unir lideranças políticas e do setor produtivo, mobilizar a comunidade e buscar alternativas para reverter essa decisão", afirma Turini.

Desmonte

O sindicato dos ferroviários afirma que a concessionária vem desativando trechos produtivos de diversas regiões do país, sucateando o modal, promovendo o comércio clandestino de trilhos e o desmonte do patrimônio público. O sindicato ainda acusa a Rumo de agir contra os interesses dos contratos de concessões, de não investir na manutenção e modernização dos trechos assumidos, o que resulta em tarifas elevadas que inviabilizam o transporte ferroviário.

A decisão da concessionária atenta ainda ao Novo PAC - programa de obras do governo federal - em que as ferrovias foram elencadas como prioridade com investimento previsto de R$ 94,2 bilhões até 2026. "Um meio de transporte que sai na frente quando o assunto é sustentabilidade, eficiência e segurança, e ainda carrega consigo o desenvolvimento socioeconômico por onde passa", diz o governo federal que reitera que "o transporte ferroviário no Brasil foi negligenciado por décadas".

No PAC, está a Nova Ferroeste que prevê a modernização da atual conexão entre Cascavel e Guarapuava, ligando Maracaju (MS) a Paranaguá, com ramais para Foz do Iguaçu e Chapecó (SC). O investimento previsto é de R$ 35,8 bilhões para a construção e compra de material rodante para os 1.567 quilômetros de trilhos da ferrovia.

ALEP

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.