Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Estudo da Fundação Dom Cabral faz parte do Índice de Capacidades Institucionais (ICI) divulgado em Brasília, no XII Congresso Consad. Controladoria-Geral do Estado levou aos órgãos e entidades do governo estadual o Programa de Integridade e Compliance. Ao mesmo tempo, aprimora ferramentas de controle e monitoramento.

O Programa de Integridade e Compliance e as ferramentas de combate à corrupção adotadas pelo Governo do Paraná, por meio da Controladoria-Geral do Estado (CGE), têm mostrado resultados na comparação com outras administrações estaduais. Nesse quesito, o Estado ficou como a segunda melhor do Brasil de acordo com estudo da Fundação Dom Cabral.

A nota atribuída ao Paraná foi a segunda melhor na categoria denominada Controle da Corrupção, alcançado 0,996. Somente três estados receberam a nota máxima (1,0) no combate à corrupção (Minas Gerais, Espírito Santo e Ceará). O Paraná também alcançou o segundo lugar do ranking nacional que avalia a qualidade das instituições e da gestão pública, focando nos resultados e serviços ofertados à população.

A avaliação faz parte do Índice de Capacidades Institucionais (ICI) divulgado em Brasília, no XII Congresso Consad - referente ao Conselho Nacional de Secretários de Estado da Administração. Com ICI de 0,750, o Paraná ficou atrás apenas de São Paulo (0,771). O bom resultado, segundo professores autores do estudo, atrai investimentos e promove o desenvolvimento do estado e o bem-estar da população.

A controladora-geral do Estado, Luciana da Silva Azevedo, explicou que a CGE tem desenvolvido ferramentas que inibem atos lesivos ao Estado e fortalecem o serviço público. Ela citou a modernização do Portal da Transparência, a estruturação da Ouvidoria e a implantação do Programa de Integridade e Compliance.

“Trabalhamos para que o Paraná esteja em primeiro lugar em todas as avalições que envolvam mecanismos ou políticas de prevenção e combate à corrupção. Para isso, contamos com o apoio e confiança do governador Carlos Massa Ratinho Júnior”, afirmou.

A CGE também adota ferramentas que qualificam as áreas de controle interno, auditoria e corregedoria, para fechar o cerco a atos ilícitos e condutas indesejáveis no serviço público.

Compliance 

Todos os órgãos e entidades do Governo do Estado estão integrados ao Programa de Integridade e Compliance, coordenado pela CGE. Por meio de entrevistas com os servidores, que até agora superam 11 mil, são mapeados riscos e vulnerabilidades à corrupção, que possam ser usados por pessoas mal-intencionadas para cometer atos ilícitos.

O Plano de Integridade, que reúne esses registros, já foi concluído em praticamente metade do Governo do Estado. O documento indica propostas de reduzir ou eliminar os riscos e, assim, é ferramenta essencial para o gestor aprimorar sua administração e ter mais segurança nos processos do órgão ou entidade sob sua responsabilidade.

AEN

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.