Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Frente Parlamentar sobre o Pedágio no Paraná da Assembleia Legislativa do Paraná solicitou formalmente, na quarta-feira (09), a suspensão imediata dos processos licitatórios para a concessão de rodovias no Estado (Lotes 1 e 2). O pedido foi feito por meio de ofício encaminhado à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), ao Ministério da Infraestrutura e a Comissão de Transição do Governo Federal.

Em uma manifestação unânime, os deputados estaduais ressaltam as recomendações e inconsistências mostradas em relatórios e documentos produzidos pela área técnica e pelo plenário do Tribunal de Contas da União (TCU), além de apontamentos feitos pelo Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura (ITTI) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que assessora a Frente Parlamentar.

O texto do documento destaca a necessidade da “discussão de novos parâmetros pela sociedade paranaense, que atenda o interesse público”. “E represente tarifas justas, aliadas às manutenções necessárias, investimentos e obras fundamentais ao crescimento do Estado, especialmente a urgência de duplicação de certos trechos, e para com a fiscalização segura e garantia de participação efetiva dos usuários e dos municípios impactados”.

“A posição anterior dessa Frente Parlamentar sobre o Pedágio em rechaçar o modelo híbrido ou com aporte, degrau tarifário e ausência de garantias, ainda se mantém, em vista de que não foram levados em consideração pela ANTT na elaboração da proposta apresentada ao TCU”, traz o ofício.

Risco de prejuízo

O coordenador da Frente, deputado Arilson Chiorato (PT), explica que as determinações e recomendações feitas pelo TCU para ANTT devem ser publicizadas em uma nova audiência pública oficial. “Também tem que ser ouvido o novo Governo, que tem proposta diferente para as concessões rodoviárias”, afirma.

 “A nossa posição é que a licitação não seja feita nesse final de ano, sob o risco de termos um prejuízo para o desenvolvimento do Paraná por mais 30 anos com um pedágio abusivo, como foi alertado pelo próprio TCU”, acrescenta o parlamentar.

Revisão

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSD) reforça a posição da Frente da necessidade de revisão do projeto e da retirada de amarras que reduzem a competitividade da licitação e, por consequência, geram tarifas mais altas.

“São amarras que beneficiam apenas às empresas como um degrau tarifário de 40% sem justificativa técnica, do aporte financeiro que limita os descontos, das tarifas oneradas pela garantia cambial e do risco de abuso das receitas estimadas”, enumera Romanelli.

“Buscamos uma concessão que traga um pedágio justo e a garantia de obras. Na nossa avaliação o modelo elaborado modelo do Governo Federal vai onerar as economias locais, prejudicar a competitividade das empresas, além de isolar muitos municípios atingidos pelas praças de pedágio”, aponta o deputado.

Para o presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSD), o pedido da Frente Parlamentar é prudente, pois as tratativas devem ser realizadas com o novo Governo. Segundo ele, por mais que os dois lotes já autorizados para licitação tenham seus editais publicados, não haverá tempo hábil para finalizar o processo licitatório ainda na gestão do atual presidente. “Vamos ter um novo Governo e toda e qualquer tratativa na questão pedágio deve ser encaminhada pela equipe de transição desse governo. O novo governo precisa ser ouvido, pois qualquer iniciativa do atual governo perde qualquer sentido. Temos um governo novo e todas as regras em relação à possibilidade de pedágio no Paraná devem ser trabalhadas com a equipe desse novo governo que assume em 1º de janeiro”.

VEJA A ÍNTEGRA DO DOCUMENTO:

FRENTE PARLAMENTAR SOBRE O PEDÁGIO NO PARANÁ

MANIFESTAÇÃO SOBRE A CONCESSÃO DAS RODOVIAS DO ESTADO DO PARANÁ

CONSIDERANDO o processo nº 042.775/2021-3 do Tribunal de Contas da União, que prevê a desestatização dos lotes 1 e 2 do Sistema Rodoviário no Estado do Paraná, também conhecido como Concessão das Rodovias Integradas do Paraná;

CONSIDERANDO que a Unidade Técnica do Tribunal de Contas da União – Secretaria de Fiscalização de Infraestrutura Rodoviária e de Aviação Civil emitiu Relatório de Acompanhamento, o qual aponta indícios de irregularidades e riscos na execução dos contratos, tendo proposto vários encaminhamentos com determinações à Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT, informações e recomendações que devem anteceder a publicação dos editais;

CONSIDERANDO que o Tribunal de Contas da União, através de seu Plenário, em Acórdão sob o nº 2379/2022, considerou que todos os riscos apontados pela Unidade Técnica, determinando diversas providências à ANTT como condicionantes para a publicação de futuro edital de concessão, assim como, recomendações e informações;

CONSIDERANDO que a Frente Parlamentar sobre o Pedágio através dos Relatórios de Auditoria confeccionados pelo Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura – ITTI, da Universidade Federal do Paraná - UFPR, apontou dezenas de inconsistências referentes ao processo de desestatização das rodovias, tendo sido objeto de apreciação pelo E. Tribunal de Contas da União e levados em consideração no relatório de auditoria;

CONSIDERANDO que o Tribunal de Contas da União, através do Acórdão nº 2.379/2022, recomendou sobre a necessidade de reapresentação do projeto para a sociedade paranaense, inclusive sobre novos patamares tarifários das novas concessões, bem como das alterações efetuadas ao longo da fiscalização;

CONSIDERANDO que as alterações que foram realizadas durante o processo de análise pelo Tribunal de Contas da União – TCU, e que os novos parâmetros decorrentes das determinações e recomendações do TCU alteram substantivamente o projeto apresentado e que há determinação para que seja dada publicidade destas situações para o povo paranaense;

É que a FRENTE PARLAMENTAR SOBRE O PEDÁGIO NO PARANÁ, criada no âmbito da Assembleia Legislativa, manifesta sua posição unânime, sobre a necessidade imediata de que o processo das novas concessões rodoviárias do Estado do Paraná, lotes 1 e 2, seja suspenso pela ANTT, para a devida discussão de novos parâmetros pela sociedade paranaense, que atenda o interesse público e represente tarifas justas, aliadas às manutenções necessárias, investimentos e obras fundamentais ao crescimento do Estado, especialmente a urgência de duplicação de certos trechos, e para com a fiscalização segura e garantia de participação efetiva dos usuários e dos Municípios impactados.

Expressa que as determinações, recomendações e informações feitas pelo TCU para ANTT devem ser publicizadas por nova audiência pública oficial, antes de qualquer edital de licitação.

A posição anterior dessa Frente Parlamentar sobre o Pedágio em rechaçar o modelo híbrido ou com aporte, degrau tarifário e ausência de garantias, ainda se mantém, em vista de que não foram levados em consideração pela ANTT na elaboração da proposta apresentada ao TCU.

A presente manifestação é a posição firme da Frente Parlamentar sobre o Pedágio e será levada a público para conhecimento da sociedade paranaense e especialmente encaminhada à Comissão de Transição do Governo Federal, à Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT, ao Ministério da Infraestrutura e ao Governo do Estado do Paraná, para conhecimento.

Curitiba, 08 de novembro de 2022

DEPUTADAS E DEPUTADOS ESTADUAIS

FRENTE PARLAMENTAR SOBRE O PEDÁGIO NO PARANÁ

ALEP

#JornalUnião

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.